Aposentada de 93 anos morre na enchente

A aposentada Nair da Silva, 93 anos, morreu afogada, nesta sexta-feira, quando o Palio verde que ocupava com a filha e a neta foi invadido pelas águas da chuva na esquina da Rua Turiassu com Avenida Pompéia, na zona oeste da capital, uma das mais atingidas. Filha e neta conseguiram sair do veículo. A aposentada não teve a mesma sorte e foi arrastada junto com o veículo.De acordo com o bombeiro Celso de Oliveira, a força da enxurrada levou o corpo da aposentada a uma distância de 150 metros, sendo encontrado sob o Viaduto Pompéia. Até às 19 horas, o corpo permanecia no local. Os parentes da vitima estavam muito nervosos e não quiseram falar com a imprensa.Segundo comerciantes e moradores da região, a água chegou a subir um metro acima do nível da Avenida Pompéia. O trânsito ficou totalmente congestionado devido ao enorme ponto de alagamento e aos carros parados por problemas mecânicos.No início da noite, pelo menos cinco carros permaneciam parados na avenida. O professor Edgard Hass, de 51 anos, desconsolado, abriu o capô do seu Escort para mostrar o motor cheio de folhas de árvores e lama. "O grande problema na cidade é a falta de planejamento sério", disse o professor.O comerciante Antônio Soares da Silva, de 51 anos, levou um corte na testa ao tentar atravessar a Avenida Pompéia para pedir ajuda tão logo o seu carro, um Gol, parou na enchente. Segundo ele, ao abrir a porta do carro a água atingia sua cintura. A Churrascaria 2000 não pôde funcionar. A enxurrada invadiu o estabelecimento, chegando a água a alcançar meio metro da parede. Cerca de 80 funcionários fizeram a limpeza da churrascaria. Segundo o gerente Alberto Oliverki, de 34 anos, a água invadiu banheiros e cozinha, atingindo os alimentos e aparelhos eletrodomésticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.