Aposentado e filho são presos por fraude na Previdência

O aposentado Geraldo Ribeiro de Souza, de 75 anos, e seu filho, Evandro Ribeiro de Souza, de 51, presos em flagrante na noite do dia 1º, pela Polícia Federal, serão transferidos hoje à tarde para a Casa de Prisão Provisória de Goiânia. Os dois foram capturados quando se preparavam para fazer saques de benefício da Previdência Social .Após dois meses de investigações, a Delegacia de Repressão a Crimes contra a Previdência Social (Deleprev) da Polícia Federal, descobriu que Geraldo possuía 13 carteiras de identidade falsas. Com elas, Geraldo abriu processos no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) para receber o Amparo Assistencial ao Idoso e ao Deficiente, seguro especial que favorece idosos acima de 67 anos. Assumindo as 13 identidades falsas, mais a sua verdadeira, Geraldo recebia o benefício 14 vezes. Através desse esquema, ele retirava, mensalmente, do INSS, R$ 3.360. Em depoimento à PF, Geraldo confirmou o crime. Segundo a assessoria de imprensa da PF, Geraldo utilizou 13 certidões de nascimento de amigos seus de infância já falecidos para fazer as falsificações.De posse das certidões, ele ia a uma agência de atendimento rápido da Secretaria Estadual de Segurança Pública e requisitava uma segunda via da identidade. Com os documentos falsos, Geraldo requisitava o benefício ao INSS. O Amparo Assistencial ao Idoso e ao Deficiente é pago a pessoas que não têm condições financeiras de contribuir para a Previdência e desconto é feito por meio de um cartão eletrônico em bancos ou postos do INSS.CaretasA Polícia acredita que Geraldo vinha se beneficiando da fraude há cerca de três anos. Para não aparecer igual nas fotografias, Geraldo mudava o corte de cabelo, a barba, fazia caretas e utilizava acessórios. Em um dos documentos ele aparece com a cabeça raspada. Segundo a PF, o filho de Geraldo negou a participação na fraude. Ele afirmou que somente acompanhava o pai com o cartão magnético do banco para que ele efetuasse o saque.O delegado responsável pela investigação, Hander de Deus, descobriu que Geraldo utilizava 14 endereços, 13 deles fictícios. Na noite do dia 1º, dia em que o benefício é liberado pela Previdência, agentes da polícia foram até o endereço correto e foram recebidos pelo próprio Geraldo. Ao saber que seria preso, ele simulou um ataque cardíaco. Geraldo foi levado para a carceragem da Superintendência da PF, onde permanece até a tarde de hoje.Evandro, o filho, foi preso quando tentava sacar o benefício de uma agência bancária no setor Campinas. Os dois vão responder processo por estelionato na Justiça Federal. O pai deve ser beneficiado com redução da pena por ter mais de 70 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.