Aposentado passa seis dias em cativeiro e é liberado

Por volta das 22h30 desta segunda-feira, o aposentado Jerti Antonelli, de 76 anos, foi liberado por criminosos que o raptaram no último dia 6. A vítima foi deixada na Rua Ariano, no Jardim Santa Rita, em Osasco (Grande São Paulo). Guardas municipais que faziam patrulhamento na região foram parados pelo aposentado, que estava perdido.Segundo a vítima, o seqüestro ocorreu na manhã de uma terça-feira, quando o aposentado fazia cooper no Centro Esportivo Municipal Édson Arantes do Nascimento, o Pelezão, localizado no City Lapa, bairro de classe média alta na zona Oeste da capital paulista. Encapuzada, a vítima foi colocada em um veículo e levada para o cativeiro. O aposentado, que só teve o capuz retirado do rosto quando entrou no cativeiro, disse aos guardas que alimentou-se normalmente enquanto era mantido refém e que o cativeiro foi montado em casa azulejada, aparentemente com boa infraestrutura.Após passar o telefone de sua casa aos guardas municipais, a família de Jerti foi informada sobre o fim do seqüestro. Em seguida, dois investigadores da Divisão Anti-Seqüestro (DAS) encaminharam-se até o posto da Guarda Municipal e levaram a vítima à base da DAS, em Higienópolis, região central de São Paulo. O aposentado, trajando ainda o agasalho e o moletom com o qual corria, disse que o valor exigido pelos bandidos para sua libertação foi de R$ 300 mil, mas não soube informar como foram as negociações nem se o valor foi pago. Investigadores da DAS, que já estavam cientes do seqüestro antes de seu término, não quiseram informar se houve pagamento do resgate ou se o aposentado teria sido seqüestrado por engano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.