Apreendidas mais 5 toneladas de maconha na região de Sorocaba

Numa ação conjunta, as polícias Federal, Civil e Militar apreenderam mais de 5 toneladas de maconha, terça-feira, na região de Sorocaba. Cerca de 4.800 quilos estavam em um sítio na Colônia Tozan, no município de São Miguel Arcanjo. O caseiro José Santana dos Anjos, de 41 anos, que tomava conta da droga, foi preso em flagrante. Outros 250 quilos foram apreendidos, já na madrugada de ontem, em uma chácara na Rodovia João Leme dos Santos, em Salto de Pirapora, cidade vizinha. Na segunda-feira, a mesma equipe de policiais tinha apreendido 7 toneladas da droga em Porangaba, outra cidade da região. As apreensões, que totalizam 12 toneladas, já são as maiores este ano no Estado. Nos três casos, a droga estava escondida em locais distantes dos centros urbanos. Em São Miguel Arcanjo, a maconha estava enfardada e encoberta por sacos de soja, num barracão agrícola. A polícia apreendeu também uma camioneta e uma pistola calibre 9 milímetros com munição. Os policiais identificaram o dono da propriedade., que está sendo procurado pelos policiais. O local funcionava como um entreposto de distribuição da maconha, segundo a polícia. Vizinhos informaram que era grande o movimento de caminhonetas e picapes no sítio. Com base nas informações do caseiro, os policiais chegaram à chácara onde estavam os outros 250 quilos. Ali foram apreendidos um telefone celular, um minibuggy e um trator. O proprietário do imóvel fugiu e também é procurado. Segundo o delegado chefe da PF em Sorocaba, Ademir Alves, toda a droga, inclusive a que foi apreendida em Sorocaba, veio do Paraguai através da fronteira com o Mato Grosso do Sul. A maconha abasteceria traficantes da Grande São Paulo e do Rio de Janeiro. Segundo o delegado, saiu de Porangaba o carregamento com 2,4 mil quilos de maconha apreendidos na semana passada no Rio de Janeiro. "Deixamos a droga seguir para pegar os compradores." Alves, o comandante da PM em Sorocaba, coronel Ladislau Varadi, e o titular do Departamento de Polícia Judiciária do Interior (Deinter 7), José Maria Florenzano, montaram uma espécie de QG na sede da PF, de onde comandam pessoalmente a equipe de policiais que integram a força conjunta. Ontem, eles seguiam novas pistas. Alves vê a localização da região como estratégica para o armazenamento da droga, pois está entre os principais mercados consumidores - Rio e Grande São Paulo - e o Paraguai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.