Aprofundamento do Tietê começa em janeiro, promete Thame

O aprofundamento em 2,5 metros da calha do Rio Tietê numa extensão de 24,5 quilômetros, entre a Barragem da Penha e o Cebolão, será iniciado em janeiro, prometeu nesta terça-feira o secretário estadual de Recursos Hídricos de São Paulo, Antonio Carlos Mendes Thame. Só agora o Japan Bank Internacional (JBIC), que financiará a obra, aprovou o projeto, orçado em R$ 500 milhões.Esses recursos são sobras do financiamento do primeiro trecho, de 16 km, entre o Cebolão a a Barragem Edgard de Sousa, em Santana de Parnaíba. "Com uma verba para 16 quilômetros vamos aprofundar 40.""A obra integra uma série de outras ações do governo do Estado para realizar a macrodrenagem da região metropolitana", disse o superintendente do Departamento de Água e Energia Elétrica (Daee), Ricardo Daruiz Borsari.De acordo com ele, quando o plano estiver concluído, as conseqüências das fortes chuvas na região, principalmente no verão, serão muito reduzidas. "Só não tenho uma previsão de quando isso acontecerá pois depende de recursos, do uso e ocupação do solo e do crescimento da cidade", disse.O superintendente informou que, além do aprofundamento da calha do Tietê, as obras da macrodrenagem incluem a construção de 35 piscinões na Bacia do Tamanduateí e 15 na do Pirajuçara. "Desse total, seis já estão operando normalmente no Tamanduateí e dois no Pirajuçara, e outros cinco estão em obras."Borsari informou que a Prefeitura assinou um termo de compromisso cedendo duas áreas para a construção de piscinões. Uma delas fica entre a Estrada do Campo Limpo e a Avenida Intercontinental, na Bacia do Pirajuçara, e a outra na divisa com o município de Santo André, na Bacia do Tamanduateí.Também integram o plano de macrodrenagem as Barragens de Biritiba e Paraitinga, no Alto Tietê, ambas em fase de acabamento. "Elas terão volume de armazenamento equivalente a 700 piscinões", destacou Mendes Thame.Na semana que vem, o Daee iniciará o desassoreamento do Tietê. O objetivo é evitar que se repita o que ocorreu nesta segunda-feira, quando o rio subiu. Com isso, o Tietê bloqueou a vazão do Córrego Aricanduva, que transbordou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.