Aprovação de regime carcerário mais rigoroso é aplaudida

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, comemorou em Brasília a aprovação, pela Câmara dos Deputados, do projeto que modifica a Lei das Execuções Penais, tornando mais duro o regime carcerário para criminosos de alta periculosidade ou de mau comportamento."Foi uma resposta pronta e forte do Legislativo na luta contra o crime organizado", disse o ministro, durante debate nesta quarta-feira na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.Para Thomaz Bastos, ao mesmo tempo em que reforça o controle sobre os chefes do crime organizado, a nova lei "vai criar condições de eliminar o burocrático exame criminológico, tirando da cadeia quem não precisa estar lá".Isso porque o projeto, que ainda precisa de aprovação do Senado, torna mais rápida a concessão da progressão da pena para detentos que não são perigosos, contribuindo para descongestionar presídios e delegacias.As modificações também foram recebidas com entusiasmo pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). "É um grande avanço. Nós tínhamos uma lei que era fraca com o crime organizado, com os bandidos de alta periculosidade, e muito dura com o criminoso de bom comportamento", disse Alckmin, referindo-se ao isolamento de presos considerados perigosos por 360 dias, prorrogáveis até um sexto da pena. O prazo hoje é de, no máximo, 30 dias. Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.