Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Apurações do caso Marielle rompem blindagem de 'coalização satânica' no Rio, diz Jungmann

Ministro atribuiu crime organizado, agentes públicos e políticos do Estado como barreira para o andamento de investigações

Renata Batista, O Estado de S.Paulo

30 Novembro 2018 | 17h21

RIO - O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta sexta-feira, 30, que a investigação da Polícia Federal sobre os entraves às apurações do caso Marielle rompem a blindagem de uma "coalização satânica" que existe entre crime organizado, agentes públicos e políticos no Rio de Janeiro. 

Jungmann não quis comentar a prisão do governador Luiz Fernando Pezão nem deu novos detalhes da apuração de Marielle. Voltou a dizer que havia uma "metástase" entre crime organizado e corrupção no Estado e que a intervenção federal, que se encerra em 31 de dezembro, deixará um legado ao reestruturar a área de segurança do Rio.  

O ministro anunciou o repasse de R$ 20 milhões do Gabinete de Intervenção Federal para o Centro Integrado de Segurança Marítima (Cismar) da Marinha. Os recursos serão investidos na aquisição e instalação de equipamentos para monitoramento da Baía da Guanabara e de todo o litoral do Rio de Janeiro. É um projeto-piloto que deve ser expandido para todas as fronteiras, inclusive lagos e rios, como as Bacias do Paraná e Amazônica e a Tríplice Fronteira. 

A integração entre os órgãos de segurança pública e a Marinha do Brasil tem como objetivo impedir a entrada e saída de drogas e mercadorias, inclusive armamento, no país. "Estamos fechando o mar para o crime organizado. Esse sistema deverá estar integralmente funcionando no segundo semestre do próximo ano", disse o ministro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.