Araketu é condenado a pagar indenização a folião

A empresa Araketu Produções Artísticas Ltda., que administra o bloco carnavalesco Araketu, foi condenada na segunda-feira, 12, pela juíza Maria de Fátima Silva Carvalho, da 16ª Vara Cível de Salvador, por danos morais e materiais cometidos contra um folião, cujo nome foi preservado. Ele foi espancado por seguranças do bloco no "Beach Folia", um carnaval fora de época realizado em 2002 na cidade de Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador. A juíza fixou uma indenização de R$ 200 mil de danos morais e R$ 50 mil de materiais.O folião foi espancado quando tentava passar por dentro do cordão de isolamento da agremiação, para atravessar a rua por onde o Araketu desfilava. Ele teve a mandíbula fraturada e sofreu ferimentos por várias partes do corpo, ficando pelo menos 90 dias sem poder trabalhar para se submeter a tratamento médico e odontológico. A juíza considerou que esse fato caracterizou o dano material e constatou o dano moral no vexame que a vítima sofreu ao ser espancada em plena avenida, diante da presença de centenas de pessoas. Várias testemunhas confirmaram em juízo as agressões, acrescentando que a ação dos seguranças teria sido comandada por um diretor do bloco. Procurados pela reportagem, nenhum diretor do Araketu foi encontrado na capital baiana para falar sobre a decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.