Arcebispo do Rio lamenta violência na cidade

Ao participar do lançamento da Feira da Providência, tradicional festa carioca que neste ano acontecerá em dezembro, o arcebispo do Rio, D. Eusébio Scheid, criticou a violência na cidade. Segundo ele, o evento ?quer ser uma tonalidade de alegria dentro da balbúrdia de medos e fobias.? Natural de Santa Catarina, o arcebispo contou que quando chegou ao Rio sentiu-se ?em casa?. ?Me machuca é saber que essa cidade que tem tudo para ser uma das mais lindas do mundo, mas as pessoas vivem intranqüilas, porque há desordem, porque a droga está por trás", afirmou D. Eusébio.Realizada desde 1961, a Feira da Providência chega em sua 42ª edição. O cartunista Ziraldo, que faz os cartazes do evento desde a primeira feira, escolheu a família como tema para este ano. Para retratar isso, desenhou um pai carregando o filho - ou filha - no ombro. A expectativa dos organizadores é aumentar em 10% tanto o número de visitantes quanto a receita líquida, alcançando um público de 770 mil pessoas e arrecadação de R$ 2,5 milhões.A feira acontecerá entre os dias 5 e 8 de dezembro, com ingressos a R$ 5, no Riocentro, na Zona Oeste do Rio. Os recursos da feira são usados pelo Banco da Providência para financiar diversos projetos sociais, como um ambulatório para portadores do vírus HIV, quatro creches, centros profissionalizantes e um serviço de atendimento emergencial para pessoas pobres. Além das barracas de 40 países e dos estados brasileiros, haverá também um minishopping para venda de produtos de Natal, área de diversões para crianças e jovens e um setor para empresas, universidades e organizações não-governamentais mostrarem suas iniciativas sociais, educacionais e culturais. A gastronomia de países e estados é um dos maiores atrativos da Feira da Providência, que este ano terá 12 restaurantes, além da venda de comidas típicas nos estandes.Ziraldo, que entrará para o livro Guiness de recordes por ter feito o maior número de cartazes para um mesmo acontecimento, lembrou a fundação do Banco da Providência, por D. Helder Câmara, em 1959. A primeira Feira da Providência aconteceu em 1961. O cartunista disse que desde o primeiro cartaz criou um personagem que lembrasse a alegria da feira e o fato de que "tem muita coisa boa para comer". O personagem, apelidado de Bocão, já teve várias versões, sempre com um sorrido e a boca aberta. Os cartazes já lembraram a visita do papa João Paulo II ao Brasil, a escolha de Ronaldinho como melhor jogador do mundo, o movimento hippie e a ida do homem à lua.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.