Área de inteligência da PF será reforçada no Rio

Diante da recusa do governo do Rio de Janeiro de aceitar uma "intervenção branca" nas polícias Militar e Civil, a União pretende reforçar a sua atuação no Estado, principalmente na área de inteligência. Um grupo de agentes da Polícia Federal será deslocado de outras regiões para o Rio, nos próximos dias, junto com policiais rodoviários federais.Além disso, o Conselho Operacional de Segurança Integrada (Cosi), integrado pelo Exército e a Polícia Federal, será mantido. Entretanto, dificilmente o governo federal assumirá o presídio Bangu 3, pelo fato de não haver pessoalsuficiente para garantir a segurança do local.Por tratar-se de uma aliada política do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governo federal acreditava que a governadora do Rio, Rosinha Matheus (PSB), iria receber a proposta de intervenção sem problemas.Tanto é que os ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e da Defesa, José Viegas, levaram a proposta em forma de documento oficial. Mas, durante o encontro de sábado à tarde, Rosinha recusou subordinar as polícias ao Cosi,que é coordenado pela PF e pelo Exército.Diante disso, a União praticamente ficou sem opção para ajudar no combate à violência no Rio. A única medida para demonstrar a presença federal no Estado será reforçar a PF, enviando novos efetivos, além de manter a coordenação doCosi com a área de inteligência das Forças Armadas. Porém, segundo fontes do Palácio do Planalto, dificilmente a União assumirá Bangu 3, conforme propôs Rosinha Matheus. "São 900 vagas, o que demandaria a convocação de 3.600agentes federais, quase a metade do efetivo atual da PF", afirma uma fonte do Ministério da Justiça. O governo pretendia assumir Bangu 1, onde estão os presos mais perigosos do Rio.Com a decisão de aumentar o efetivo no Rio, a PF deverá instalar na cidade o Núcleo de Coordenação Regional (Nucope), que funcionaria independente dasuperintendência local da instituição e com comando próprio. A atuação do Nucope deverá ser principalmente voltada para o combate ao tráfico internacional de drogas. Esta proposta é a principal medida que a União deveriater adotado há alguns meses no Estado, segundo relatório reservado da PF.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.