Armas de fogo e túneis na rebelião do presídio em Rondônia

Um preso que conseguiu fugir da Penitenciária Urso Branco, em Porto Velho, Rondônia, denunciou que os outros detentos rebelados há cinco dias têm armas e cavam um túnel para deixar o presídio. Dez reféns já foram mortos e este número, segundo o fugitivo, pode aumentar se for posto em prática um acerto de contas entre grupos rivais. A polícia negocia o fim do motim. Mais de 160 mulheres estão empoder dos bandidos. O secretário de Segurança Pública do Estado, Paulo Morais, afirmou que a situação se agravou com a confirmação de que ospresos estavam construindo um túnel e que têm três armas de fogo em seu poder. A troca de direção do presídio, uma dasexigências do rebelados, pode ser negociada, segundo o secretário, mas a indicação da nova diretoria deverá ser feita pelo governo do Estado e não pelos presidiários. "Todo tipo de negociação é possível. Agora, nós também temos é a informação de que, efetivamente, eles querem fazer acerto de contas entre eles´; disse Morais. Ele também afirmou que o Gabinete de Gerenciamento de Crises está tomando algumas providências. A situação das mulheres que estão mantidas reféns também preocupa. "A ordem é dialogar até o final . Agora, se houver alguma outra matança em série, logicamente outras atitudes deverão ser tomadas´, ressaltou o secretário. A luz e a água do presídio foram cortadas para dificultar a construção do túnel, que seria o motivo por que os presos estariam forçando um prolongamento nas negociações. As informações são da TV Globo News.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.