Raquel Schwengber/Espaço Arqueologia/Iphan
Raquel Schwengber/Espaço Arqueologia/Iphan

Arqueólogos descobrem gravuras rupestres de mais de 4 mil anos no PR

Cerca de 150 figuras foram encontradas em sítio arqueológico; local é alvo de estudos desde 2009, mas trabalho foi intensificado em janeiro por estar 'sofrendo impactos decorrentes de outras atividades'

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

13 Fevereiro 2019 | 17h52

SÃO PAULO - Cerca de 150 gravuras rupestres foram encontradas em um sítio arqueológico em Capitão Leônidas Marques, no sudoeste do Paraná. De acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pesquisadores estimam que as figuras foram esculpidas em três rochas há pelo menos 4 mil anos. 

Chamado de Vista Alta, o sítio arqueológico é alvo de pesquisas desde 2009, após ser identificado durante o licenciamento ambiental de uma usina hidrelétrica. De acordo com o Iphan, foi em janeiro que se iniciou uma avaliação "mais profunda" do local por estar "sofrendo impactos decorrentes de outras atividades". 

Uma equipe de pesquisadores brasileiros e portugueses fez fotografias do local com drone, que serão divulgadas em material cartográfico e utilizadas para modelos digitais do terreno. O Iphan solicitou um estudo para verificar a possibilidade de transformar o sítio arqueológico em um local de visitação. 

"Todo o material que se encontra em estudo possibilitará produzir um vasto conjunto informações sobre o sudoeste do Paraná, bem como dados interpretativos sobre o comportamento humano nesta região, tanto nos aspectos tecnológicos como simbólicos. O sítio é considerado de alta relevância e a sua localização privilegiada, em área não afetada diretamente pelo barramento, faz com que ele tenha grande potencial para ser preservado, estudado e visitado", informou a instituição.

Ao todo, o Brasil tem mais de 26 mil sítios arqueológicos cadastrados no Iphan, dos quais cerca 1,3 mil estão localizados no Paraná. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.