Arquiteto cogita mudar projeto e recuar torres

O projeto do condomínio com 34 torres em área sob processo de tombamento ao lado do Parque do Trote, na Vila Guilherme, foi feito pela Itamar Berezin Arquitetura e Urbanismo, escritório responsável por mais de mil empreendimentos nos últimos 20 anos.Berezin admitiu realizar mudanças no projeto entregue à Prefeitura. "Queremos buscar uma solução urbanística que não prejudique o parque. Por isso, vamos caminhar juntos com o Conpresp para realizar possíveis adaptações", argumentou o arquiteto. Berezin cogita, por exemplo, recuar as torres em relação ao parque como forma de evitar sombra sobre o bosque do local.A abertura do Parque do Trote, em 2006, culminou em um interesse inédito de construtoras pelos bairros da Vila Maria e Vila Guilherme. Hoje, a verticalização das duas regiões pode ser observada em empreendimentos que já ocupam espaços onde antes estavam galpões vazios de antigas indústrias. De imóveis populares de dois dormitórios a apartamentos de luxo, com quatro quartos, piscina e 250 m² de área, o preço do metro quadrado nos dois bairros varia de R$ 1,8 mil a R$ 3 mil.Apartamentos de alto padrão com quatro dormitórios, de R$ 300 mil, são negociados hoje em condomínios novos como o Le Grand, na Avenida Alberto Byington, e o Pallazzo de Luca, na Rua Manoel de Almeida. Há ainda imóveis de dois dormitórios negociados por R$ 160 mil na Rua Maria Cândida, onde também é visível a tendência de verticalização da Vila Maria, tradicional bairro paulistano formado por casas geminadas da década de 50.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.