Arrastão leva celulares, dinheiro e cheques

Quatro homens portando dezenas de bombinhas caseiras provocaram dois arrastões em várias lojas do Largo 13, em Santo Amaro, zona sul da cidade. Durante o tumulto, várias lojas foram saqueadas e depredadas e pelo menos 20 pessoas - a maioria mulheres - tiveram suas bolsas, celulares, documentos, cheques e dinheiro roubado. De acordo com a comando da Polícia Militar no local, 40 pessoas foram encaminhadas para os hospitais da região, destas 18 ficaram levemente feridas, três tiveram cortes nos braços e um homem, a princípio suspeito de ser um dos autores do crime, foi espancado por dezenas de ambulantes da região. Ninguém foi preso.Segundo o tenente da PM, Marcos Giannonni, o primeiro tumulto começou às 11horas. Quatro homens - três de camisas vermelhas e um de camisa branca - jogaram várias bombinhas caseiras em algumas lojas para tentar roubar os estabelecimentos. "As pessoas começaram a gritar que era um tiroteio e se formou um grande tumulto. Começaram a saquear as lojas e aconteceram algumas depredações", disse o tenente. A PM foi acionada pelos comerciantes da região, mas o acesso dos 11 carros do 22º Batalhão da Polícia Militar foi dificultado pelo excesso de barracas de ambulantes nas calçadas e ruas. O movimento na região era intenso devido às compras de Natal.Ainda segundo a PM, a situação foi controlada e algumas pessoas já tinham sido encaminhadas para os prontos-socorros da região mas, às 14h30, novamente os mesmos homens teriam jogado bombinhas dentro das lojas novamente e o tumulto recomeçou. "A polícia estava fazendo patrulhamento na região, mas foi uma correria", lembra o policial.No meio da confusão um homem que até esta tarde não havia sido identificado acabou sendo apontado pelos ambulantes da região como um dos suspeitos. Ele foi espancado por alguns minutos e foi salvo por um policial do serviço reservado da PM (que anda geralmente sem o fardamento da corporação), que estava fazendo o levantamento de feridos no local. "Se não fosse eu, ele estaria morto. Até eu apanhei", disse o policial que não quis dar seu nome por trabalhar sempre infiltrado em investigações sigilosas. O rapaz foi levado para o pronto-socorro Regional Sul, onde recebeu os primeiros socorros, e liberado posteriormente.Bolsa - A babá Leila Aparecido do Nascimento, de 24 anos, teve sua bolsa - com documentos, celular, dinheiro e cartão de crédito - roubada durante o arrastão. "Ouvi aquele barulho que pareciam tiros e eu estava me abaixando quando puxaram a minha bolsa e levaram tudo", afirmou. O que a deixou mais triste foi que o dinheiro que estava levando era para comprar presentes de Natal para seus familiares. "Só de pensar eu já começo a tremer."A operadora de telemarketing, Alessandra Aparecida de Oliveira, de 19 anos, foi pega de surpresa pelo arrastão quando escolhia uma calça na loja Besni. "Vi aquele arrastão e todo mundo caindo um em cima do outro, foi um tumulto muito grande", contou. O presidente do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) da região de Santo Amaro, Orlando Moreira, disse que vai espalhar várias faixas no bairro criticando a falta de ação do Município e do Estado em Santo Amaro. "A senhora prefeita Marta Suplicy não mandou nenhum GCM para cá. Se não fosse o coronel da região não sei o que aconteceria", reclamou ele. A PM, devido ao período natalino, deve aumentar o policiamento ostensivo no Largo 13. A polícia ainda não tem pistas dos quatro homens que supostamente provocaram o tumulto e o caso foi registrado no 11º distrito policial, em Santo Amaro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.