Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Desastres. Aprendemos algo?

'É preciso evitar a armadilha da tecnificação extrema. A ciência e tecnologia, o conhecimento acadêmico nas áreas social, ambiental, da engenharia, da justiça e outras não são suficientes'

Roberto S. Waack, ex-presidente da Fundação Renova

25 de janeiro de 2020 | 16h00

O desastre de Brumadinho completa um ano, marcando um triste 2019, repleto de tragédias e debates ambientais. Apesar do inédito e amplo debate, não parece ter havido avanços em soluções concretas e mudanças institucionais.

Talvez apenas o rascunho de alguns caminhos. No campo das tragédias diretamente causadas por atividades humanas alguns princípios são fundamentais: o compromisso dos responsáveis pelo desastre com a reparação integral; a intensa participação dos atingidos no encaminhamento das ações de reparação e compensação; uma abordagem sistêmica, transversal e ampla do evento no território impactado, considerando aspectos socioambientais e o contexto histórico-cultural; e a aceitação, desde o princípio, de que não há soluções prontas, perfeitas, racionais, demandando abertura e engajamento em um longo processo de aprendizado coletivo.

Quatro pontos de partida para imersão em ambiente hipercomplexo com demanda de ações rápidas e concretas. O mundo jurídico, absolutamente necessário, não é suficiente e depende de integração com o ambiente político, este, sim, determinante. Ações emergenciais de curtíssimo prazo não devem se confundir com frentes estruturais ou compensatórias de longo prazo.

Resguardada pelos princípios, a execução das ações é exposta a desafios críticos. O primeiro é o entendimento, o dimensionamento e a delimitação da abrangência do desastre. Por ser dinâmico, com desdobramentos ao longo do tempo, a fotografia do evento se transforma em um dramático filme, com final indeterminado. Assim, não deve haver a expectativa de pleno entendimento num prazo curto e, consequentemente, a definição de compromissos reparatórios e compensatórios deverá ser construída, coletivamente, a médio prazo, sem o comprometimento da execução de ações emergenciais, grande parte de caráter provisório. É preciso ter consciência da impossibilidade de visão convergente deste entendimento. Ambiguidades nas soluções propostas serão a tônica do processo reparatório, incluindo o desenho do modelo de governança.

O entendimento do evento pressupõe a identificação e mobilização dos diversos segmentos da sociedade direta ou indiretamente implicados. O grupo mais importante neste processo é o dos atingidos - em geral, comunidades heterogêneas preponderantemente assentadas na economia informal e abandonadas pelo Estado. Na maioria dos casos, sem estruturas formais de organização, com pouca experiência na indicação de representantes para os longos e complicados debates voltados para o desenho de modelos de governança e encaminhamentos técnicos.

Dentro ou fora de uma estrutura de governança, os diversos segmentos da sociedade implicados no desastre continuarão a existir e vocalizar seus pleitos de distintas maneiras. As discussões sobre modelos, sobre quem deve controlar o processo da reparação, são extremamente complexas. Ao final, seja qual for o modelo de governança escolhido, participarão da reparação as empresas, órgãos reguladores, Ministério Público, comunidades atingidas, organizações da sociedade civil, a academia, poderes públicos dos âmbitos nacional, estadual e municipal em suas três naturezas: legislativos, executivos e judiciários.

Em princípio, quanto mais inclusivo for o modelo de governança, mais efetivas serão a implementação e a efetividade das ações de reparação no longo prazo. Mas certamente, quanto mais inclusivo, mais complexo e menos eficiente será o processo decisório de curto prazo.

O conceito de reparação integral é extremamente complexo e idiossincrático. Inexoravelmente tem que ser enfrentado. Inclui o entendimento social e jurídico sobre direitos objetivos e difusos como a reparação dos danos, o direito ao retorno da normalidade da vida, a mitigação ou compensação de danos que não puderem ser reparados, as diversas formas de indenização de danos

materiais, econômicos e morais, e finalmente, o direito à plena participação e manifestação dos atingidos sobre a reparação.

É preciso evitar a armadilha da tecnificação extrema. A ciência e tecnologia, o conhecimento acadêmico nas áreas social, ambiental, da engenharia, da justiça e outras não são suficientes. É preciso convívio intenso com o contexto histórico, as memórias, os desejos e ambições da população impactada. A chamada abordagem da paisagem, proporciona inclusão da dimensão sensível

das comunidades atingidas e permite contato com elementos culturais derivados da arte, críticos para tangenciar minimamente memórias.

No caso do desastre de Fundão, qual o significado da frase amplamente difundida: "Eu quero o Rio Doce de volta"? Qual Rio Doce? O de 2015, degradado, empobrecido, abandonado pelo poder público, ou o Rio Doce das imagens idílicas, florestadas, de Rugendas e viajantes como Wied-Neuwied e da literatura de Rubem Braga? O desastre alterou o rio, mas não apagou eventos marcantes de sua história que se fundem com o triste evento, impactando não só o presente, mas afetando substancialmente o passado (as memórias) e obviamente caminhos futuros.

O encaminhamento das ações emergenciais, da abordagem da reparação integral, do entendimento e dimensionamento do evento, do engajamento dos diferentes públicos afetados, do desenho do modelo de governança, são fundamentais para que o conjunto de ações técnicas seja efetivamente

implementado. O desenho das soluções não é trivial. Não há soluções prontas.

Em geral, históricos de abandono e de políticas públicas inadequadas geraram altíssima taxa de informalidade econômica e situações críticas de vulnerabilidade. O desafio de combinar a reparação com a fragilidade institucional implica uma necessária e complexa interação com poderes locais, com agendas diversas e expectativas de suprimento de funções que não devem

ser atribuídas à responsável pela reparação. Uma longa lista de passivos políticos e empresariais se mescla com a do desastre, provocando um caldeirão de componentes ideológicos explosivos. Situação inevitável, mas que precisa ser enfrentada com objetividade e disposição para aprendizado contínuo em um ambiente de racionalidade limitada.

As críticas ao desempenho serão inexoráveis e frutos da dramaticidade do evento, do passivo gerado e do histórico da relação dos responsáveis com as comunidades atingidas. O conjunto de expectativas nunca será atingido, pois a memória e os desejos serão formatados pelo andamento do processo da reparação e sua relação com a sociedade. Diferentes visões (verdades) surgirão

o tempo todo. A profundidade não será passível de tratamento na mídia do dia a dia. Só há uma verdade absoluta: externalidades causam imensos danos e precisam ser objeto de profundas revisões de modelos de negócios.

*ROBERTO S. WAACK FOI PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO RENOVA, ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA REPARAÇÃO DOS DANOS CAUSADOS PELO ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE FUNDÃO, EM MARIANA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.