Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Artista que fez escadaria de Santa Teresa é encontrado morto no Rio

De acordo com 'O Globo', chileno Jorge Selarón estava sendo ameaçado por ex-colaborador após desentendimentos profissionais

Antonio Pita, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2013 | 09h49

RIO - O artista plástico chileno Jorge Selarón, de 65 anos, autor do mosaico de cerâmica a escadaria do Convento de Santa Teresa, entre os bairros da Lapa e Santa Teresa, na região central do Rio, foi encontrado morto na manhã desta quinta-feira, 10, na escadaria. Ainda não há informações sobre as circunstâncias ou a motivação da morte do artista plástico, responsável por tornar o local um dos principais pontos turísticos da cidade.

De acordo com o jornal O Globo, ele estava sendo ameaçado por um ex-colaborador após desentendimentos profissionais em novembro. O caso foi registrado na 7ª Delegacia de Polícia, em Santa Teresa, onde será investigado. O desentendimento teria acontecido quando o ex-colaborador danificou obras do artista chileno. De acordo com as investigações, o ex-colaborador seria irmão de um preso, condenado por tráfico de drogas e roubo.

Com 250 degraus, a escadaria se transformou em um badalado ponto turístico após a intervenção do artista plástico. Pintor e ceramista, Selarón se mudou para o Rio na década de 90, quando começou a produzir o mosaico na região com cerâmicas de diferentes partes do mundo. Ele também possuía um ateliêr na região, onde Em 2005, o trabalho do artista na escadaria foi tombado pela prefeitura do Rio.

Nos últimos meses, o local também se tornou ponto de tráfico de drogas como maconha e cocaína, alimentando os usuários de drogas da Lapa, tradicional bairro boêmio do Rio. Os traficantes agiam livremente nos degraus da escadaria, oferecendo a droga em papelotes de doses únicas. Os usuários também consumiam a droga no local. Mesmo nas noites de maior movimento na região, quando uma viatura circula pelas ruas próxima a escadaria, o tráfico e o consumo eram comuns na escadaria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.