Artistas repudiam estupro; Lobão fala em 'erotização precoce'

Nas redes sociais, atrizes e cantoras manifestaram indignação ante caso de estupro coletivo contra jovem de 16 anos, no Rio

O Estado de S.Paulo

27 Maio 2016 | 23h13

SÃO PAULO - O caso de estupro coletivo de uma jovem de 16 anos no Rio, no último fim de semana, despertou comentários de artistas nas redes sociais, que repudiaram a violência contra mulheres e a cultura do estupro no Brasil. Diversas atrizes e cantoras, entre elas Leandro Leal, Camila Pitanga e Daniela Mercury, manifestaram indignação com o crime.

"A ostentação de um estupro só acontece pela certeza da impunidade", publicou a atriz Leandra Leal em sua página no Twitter. "Não dá para se calar diante de tamanha violência contra mulher! Denuncie 180 vamos dar um basta...", afirmou a apresentadora Adriane Galisteu, na sua página da rede social.

A atriz Fernanda Paes Leme também manifestou: "Não tem como explicar o que não tem explicação. 30 homens x 1 mina?! Vamos gritar mulherada! Vamos dar as mãos!", escreveu. Por sua vez, o ator Dan Stulbach declarou "total repúdio ao machismo, à cultura do estupro, à falta de respeito e à violência contra a mulher".

 Polêmica. Conhecido por declarações polêmicas, o músico Lobão despertou a reação dos internautas ao comentar o caso. Em duas mensagens, escreveu: "Num País que se fabrica mini-putas (sic), com uma farta erotização precoce e com severa infantilização da população reduzindo as responsabilidades" "não é de se surpreender esses lamentáveis casos de estupro".

Por causa do comentário, o músico foi criticado por diversos internautas - mas também recebeu apoio. "Lobão atribuiu aos casos de estupro a 'erotização precoce' da mulher, foi tipo um 'também, olha como elas se portam, eles vão querer mesmo'", escreveu um usuário do Twitter. "O @lobaoeletrico fala umas verdades sobre a sociedade brasileira e a mesma, totalmente alienada, só confirma tudo ao xingá-lo #BrasilJáEra", respondeu outro.

Confira abaixo comentários feitos nas redes sociais:

 

Mais conteúdo sobre:
Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.