'As pessoas não querem sair', diz Dilma sobre mortes em áreas de risco no RJ

Presidente descarta problema no sistema de prevenção de desastres naturais

Jamil Chade - O Estado de S.Paulo,

18 Março 2013 | 15h49

ROMA - A presidente Dilma Rousseff culpa a chuva e o povo pelas mortes nos deslizamentos de terra no estado do Rio de Janeiro e descarta que haja problemas no sistema de prevenção de desastres naturais no Brasil.

"Conversei com o governador Sergio Cabral, quando eles estava se dirigindo para Petrópolis", disse Dilma em Roma. "Ele me disse que infelizmente duas pessoas ligadas à defesa civil foram vitimadas", afirmou, garantindo que todos os recursos necessários serão disponibilizados.

"Nós temos um sistema de prevenção, o problema é que muitas vezes as pessoas não querem sair", declarou a presidente. " E é uma situação muito difícil, porque choveu quase o tanto o que chove um ano em certas regiões do Brasil", insistiu.

Dilma rejeitou que o problema seja o sistema de prevenção. "A nossa prevenção estava com algum tipo de problema. A nossa prevenção hoje avisa as pessoas. Acho que vai ter de ser tomada medidas mais drásticas, para que as pessoas não fiquem nas regiões que não podem ficar, porque aí não tem prevenção que dê conta, se você ficar num determinado lugar mesmo sabendo que tem isso aí", disse.

"É uma questão de conscientizar" insistiu. "De fato, o homem não tem condições de impedir desastres. O que ele pode impedir é a consequência do desastre, e é isso que a gente tem lutado para fazer no Brasil", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.