As três vozes do Rio e de São Paulo

Eles puxam samba no Anhembi e na Sapucaí

Juliana Deodoro, O Estado de S.Paulo,

10 Fevereiro 2013 | 08h48

Apenas 22 horas separam o fim do desfile da Mancha Verde, no sambódromo do Anhembi, em São Paulo, e o início da apresentação da Império Serrano, na Sapucaí, no Rio. Nesse intervalo, o intérprete Fredy Vianna terá de se recuperar do primeiro desfile, descansar, pegar a ponte aérea e estar pronto para, mais uma vez, puxar uma escola de samba. Assim como ele, outros dois cantores têm energia – e fôlego – para participar dos carnavais mais importantes do País.

Igor Sorriso puxa a Acadêmicos do Tucuruvi, em São Paulo, e a São Clemente, no Rio. Wander Pires, a voz que leva o samba-enredo da Vai-Vai, é também um dos responsáveis pela animação da Imperatriz Leopoldinense. Para eles, a jornada é intensa, mas ser reconhecido nos dois carnavais, dizem, vale o esforço.

Para Sorriso, a maior preocupação é fazer um trabalho de “alto nível” nas escolas. “Essa é uma experiência diferente, nova, cansativa, tem de estar bem preparado, mas dá uma valorização muito maior ao seu trabalho”, diz. Com forte sotaque carioca, ele vem pela segunda vez a São Paulo. “A organização, a musicalidade e o fanatismo paulistano me atraíram”, afirma.

O trabalho fica pesado mesmo em janeiro, com a intensificação dos ensaios. Fredy, por exemplo, ia para Santos às segundas-feiras – onde puxa a Mocidade Independente de Padre Paulo. Nas terças e quartas, os ensaios eram no Rio. Às quintas, sextas e sábados, ficava na Mancha Verde; no domingo, voltava para o Rio. “Muito desgaste, mas, mesmo assim, tento conciliar tudo e vou tentar o título com as três.”

Dos três intérpretes, só ele é rebento do carnaval paulistano. De Belo Horizonte, viveu no Rio, mas se criou no samba da metrópole. Em 1999, começou a compor e, em 2000, venceu pela X9-Paulistana. Virou intérprete. Estar na Império Serrano, mesmo no Grupo de Acesso carioca, é uma vitória. “Os olhares estão voltados para o Rio. Já pensou se a escola sobe? Não tem felicidade maior.”

Segundo Fredy, não há possibilidade de confundir as letras. “Os tons são diferentes, não tem como confundir, mas, quando faço o grito de guerra, preciso me concentrar. As duas escolas são verde e branco, tenho de focar em qual eu estou.”

Para Sorriso, não há espaço para confusões. “Neste ano, estou sendo privilegiado, tenho duas chances de fazer um bom trabalho.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.