Assaltado joga carro contra muro de batalhão

O desespero do eletricista Luiz Carlos Lopes, de 38 anos, o fez destruir o próprio carro Monza, lançando-o contra o muro do batalhão da Policia Militar, na Av. Capitão João, em Mauá, cidade da Grande São Paulo. Ele estava dirigindo sob a mira de uma pistola automática de calibre 380. No carro, com ele encontravam-se dois assaltantes. Um conseguiu fugir, mas o outro foi preso e autuado em flagrante no 1o. DP daquele município.O monza Classic de placa BCT-2353 parou em frente ao caixa eletrônico do Bradesco, à Av. João Manole, 1200, no Parque São Vicente, às 20h. Quando saía com extrato bancário na mão, Luiz foi abordado pelos dois marginais. Explicou que seu saldo era zero, o que foi confirmado por meio do documento bancário. Levaram então os R$ 2,00, que portava, e US$ 14,00 que trazia na carteira, além de 3 cartões de crédito e bancário e um talão de cheques. Depois saíram caminhando.Inconformado, Lopes saiu à procura de uma viatura da PM, mas não conseguiu localizar nenhuma. Depois de circular pela região acabou reencontrando os criminosos, alguns quarteirões adiante de onde ocorreu o roubo. Imaginando que ele os havia seguido, os ladrões o ameaçaram e entraram no automóvel. Disseram que iriam matá-lo e mandaram que seguisse para a periferia. Lopes seguiu por algumas vias e, ao perceber que estava na rua do quartel de um batalhão da PM, acelerou e jogou o carro contra o muro, saltando rapidamente do veículo.O marginal que era chamado pelo comparsa de "Chicão" conseguiu escapar. Maurício França Paiva de Oliveira, de 19 anos, que diz ter a profissão de estampador, entrou em luta corporal com um PM e, ferido, foi dominado. Ele foi preso e autuado em flagrante, pelo delegado Fabio Martelli.

Agencia Estado,

12 de janeiro de 2002 | 09h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.