Assaltante é espancado por colegas de prisão

O assaltante de bancos Marcelo Borelli foi espancado por 28 outros presos, durante banho de sol na Carceragem da Polícia Federal, em Brasília. Um dos envolvidos no roubo de 61 quilos de ouro de um avião da Vasp, no ano passado, no aeroporto da cidade, Borelli levou socos e chutes até do traficante Luiz Fernando Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Com parte do couro cabeludo arrancado, traumatismo e hematomas pelo corpo, Borelli foi levado para o Hospital de Base de Brasília. Não há previsão de quando o assaltante poderá deixar o hospital. A Polícia Federal suspeita que a agressão ocorreu devido a uma tentativa de rebelião, na semana passada, que teria sido instigada por Borelli. Um agente conta que os presos se sentiram constrangidos com a revista feita pela polícia. O comportamento de Marcelo Borelli na Superintendência da Polícia Federal vinha desagradando outros detentos. Das 35 pessoas presas no local, apenas duas mulheres, dois policiais e um detento doente não participaram do espancamento. Um cabo de vassoura e um cadeira plástica foram usados pelos agressores. Usando uma pistola de sabão e madeira, Marcelo Borelli liderou, em maio, o maior motim ocorrido na carceragem. O assaltante chegou a ser transferido de avião para o Paraná. Mas, por decisão da Justiça, teve de voltar a Brasília. Na época, 50 homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e da Polícia Militar do Distrito Federal foram mobilizados para conter a rebelião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.