Assaltante é morto após fazer 7 reféns no DF

Rapaz, que tentou roubar farmácia em Ceilândia, morreu com um tiro disparado por PM

Felipe Recondo, O Estadao de S.Paulo

21 Agosto 2008 | 00h00

Após manter reféns por cinco horas numa farmácia de Ceilândia, cidade satélite de Brasília (DF), o assaltante Roger Duarte Pinto foi morto por um policial quando se preparava para fugir. Ele anunciou o assalto pela manhã. A Polícia Militar foi chamada, chegou à farmácia antes que ele pudesse fugir e cercou o local. O ladrão rendeu sete pessoas e exigia um carro. Durante as negociações, ele liberou cinco reféns, ficando com um casal. Duarte Pinto foi atingido por um tiro no olho, disparado por um atirador de elite do Batalhão de Operações Especiais (Bope), quando se preparava para fugir em um carro cedido pela polícia. Ele manteve os reféns sob a mira de um revólver calibre 38. Durante uma hora e meia de assalto, cinco das vítimas foram liberadas. Duarte Pinto exigia da polícia um carro para fugir e a presença da avó. O automóvel - um Celta prata - foi providenciado. Um dos reféns, o motoboy Alex Alves , foi obrigado a estacionar o carro próximo à entrada da farmácia. O motoboy seria o motorista na tentativa de fuga do assaltante. Assim que o veículo parou, e o assaltante se afastou da outra refém - Regina Chaves - para tentar fugir, os policiais invadiram a farmácia. UM TIRO De imediato, os policiais arrancaram o refém de dentro do carro. O assaltante, então, disparou contra os policiais e ameaçou matar a segunda refém. Nesse momento, um atirador de elite do Bope disparou apenas um tiro, o suficiente para matá-lo. Segundo a PM, a ambulância do Corpo de Bombeiros foi acionada, mas o assaltante já estava morto. Nenhum dos reféns ficou ferido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.