Assaltantes mantêm reféns em Caldas Novas

Uma tentativa de assalto à agência do Banco do Brasil de Caldas Novas, a 120 quilômetros de Goiânia, transformou-se em seqüestro e até o início desta segunda-feira o local permanecia cercado pela polícia.Na agência estão dois assaltantes e dois reféns - um funcionário do banco e um jardineiro. Os assaltantes exigem um carro veloz e R$ 200 mil em dinheiro. O maior problema para a polícia de Goiás está no fato de a família do gerente do Banco do Brasil estar em poder de outra parte da quadrilha, possivelmente perto da cidade."Este é o maior complicador", admite o secretário-executivo da Secretaria de Segurança Pública de Goiás, Edemundo Dias de Oliveira. "Estamos preocupados em preservar a vida dos reféns."A família do gerente do Banco do Brasil foi seqüestrada na madrugada desta segunda-feira. Às 7h, um grupo de assaltantes foi com o gerente para a agência. Foram surpreendidos pela polícia, que fazia uma ronda no local da agência bancária, no centro de Caldas Novas.A água e a luz foram cortadas, e a área isolada. Uma faxineira do banco ficou como refém durante toda a manhã e foi libertada ao meio-dia. Uma área de quatro quarteirões em volta da agência está isolada por policiais civis e militares de Caldas Novas, além de reforços vindos de Goiânia.O diretor da Polícia Civil e o comandante da Polícia Militar estão na cidade, acompanhando as negociações com os seqüestradores. Inicialmente, os bandidos exigiram um carro-forte, e o pagamento de R$ 1 milhão para libertar os reféns.Depois de 11 horas de negociação, desistiram do carro-forte e passaram a exigir um carro rápido, e o valor foi reduzido para R$ 200 mil.

Agencia Estado,

08 de abril de 2002 | 19h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.