Assaltantes se entregam e reféns são libertados em Jundiaí

Vinte pessoas foram mantidas como reféns em um ônibus por dois assaltantes ? um deles fardado de policial militar ? na Rodovia Dom Gabriel Paulino Bueno Couto, no km 69 da SP-300, que liga Jundiaí a Itu, até o início da madrugada desta sexta-feira. Eles planejavam assaltar os passageiros e escapar em seguida, mas tiveram a fuga frustrada por um passageiro, que ligou para a PM. Depois de cinco horas de negociação com a polícia, que havia fechado a estrada e cercado a área com 30 carros, ambos se renderam. A Polícia Militar suspeitava, inicialmente, que os bandidos eram os mesmos que roubaram uma chácara na região do Hopi Hari, em Vinhedo, e mataram dois PMs, horas antes. Essa informação acabou descartada posteriormente. O ônibus detido em Jundiaí seguia em excursão para o Paraguai e saiu na tarde desta quinta-feira da cidade de Bragança Paulista. Durante uma parada para descanso e jantar, Silvio César Fonseca Assunção, de 35 anos, o João, e Elias de Moraes entraram no veículo. Eles saíram de São Paulo no início da tarde e ficaram à espera do veículo para realizar o roubo. Na retomada da viagem, anunciaram o assalto. Um dos passageiros conseguiu, porém, avisar a PM por celular.Os policiais montaram uma barricada na estrada. Segundo o Batalhão da Polícia Militar de Jundiaí, os criminosos, ao notarem essa ação, sacaram um fuzil e uma metralhadora e iniciaram um tiroteio, no qual o motorista, Célio Martins de Oliveira, acabou ferido nas nádegas. Oliveira foi libertado pelos bandidos, no início da negociação. Socorrido, ele foi submetido a uma cirurgia no Hospital São Vicente de Paulo, no centro de Jundiaí. O coronel Osny, do 11.º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPMI) e o tenente Marlon Níglia, da Força Tática, se encarregaram de negociar com os seqüestradores.Cláudio Ferreira Brito e mais quatro passageiros chegaram a pular pela janela para escapar. Brito acabou ferido, sem gravidade. Na madrugada de hoje, graças à intermediação de uma passageira chamada Jussara, os dois bandidos aceitaram se render.Jussara seguiu as orientações do tenente PM Níglia, descendo do coletivo com dois revólveres e colocando as armas sob o ônibus. Em seguida, o assaltante Elias foi orientado a descer do ônibus, sem camisa. Ele desceu, de braços erguidos, com a camisa cobrindo o rosto. Em seguida, foi a vez do assaltante João, que saiu do ônibus mancando. Os reféns foram orientados a ficar dentro do veículo. Todos os passageiros permaneceram sentados, com as cabeças abaixadas. Na seqüência, os dois assaltantes deitaram-se no chão, com as pernas e mãos erguidas para o alto e foram algemados pelos policiais. Outra equipe da Polícia Militar de Jundiaí entrou no coletivo para atender os passageiros. Várias ambulâncias aguardavam no local para levar os passageiros do ônibus para os hospitais da região.(Colaboraram Silvana Guaiume e Kátia Azevedo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.