Assaltantes seqüestram funcionárias e roubam loja no Rio

Duas funcionárias das lojas Marisa foram abordadas por assaltantes dentro de um ônibus no Flamengo, zona sul da cidade, e obrigadas a voltar ao trabalho, na Rua Visconde de Pirajá, em Ipanema. Lá os assaltantes roubaram um cofre, além de roupas e acessórios. As funcionárias ficaram cerca de três horas em poder dos criminosos, que se identificaram como sendo os mesmos que roubaram a loja no ano passado. A polícia investiga a participação de funcionários da empresa nos crimes.A subgerente da loja, Polindina Moreira da Silva, de 26 anos, e a outra funcionária, Juliene dos Santos Silva, de 29, deixaram a loja por volta das 21 horas. Elas pegaram o mesmo ônibus e seguiam para suas casas, quando foram surpreendidas por dois homens armados. Os bandidos ordenaram que elas saíssem do veículo e pegassem um táxi. A subgerente foi obrigada a abrir a loja e voltou para o táxi, que rodou por alguns quarteirões com as duas. Elas permaneceram com a cabeça abaixada por todo o trajeto.O assalto ocorreu na véspera de a empresa de segurança recolher o dinheiro do cofre do tipo boca-de-lobo (os funcionários depositam o dinheiro em espécie e somente uma equipe de seguranças, num carro forte, pode abrir o cofre). Os assaltantes retiraram o cofre da parede com um pé-de-cabra e levaram o dinheiro de dois dias de venda, cerca de R$ 19 mil. "Quem cometeu o crime tinha certeza de que o cofre estava cheio", disse um policial da 14ª Delegacia de Polícia (Leblon). "Já vi casos de gerente de banco seqüestrado, que tem a família tomada como refém. Mas é novidade para mim o seqüestro de funcionários de loja".As duas funcionárias contaram que não viram quantos homens participaram da ação. Sabem apenas que outros homens davam cobertura, e que o cofre foi levado numa Kombi. Elas ficaram surpresas quando um deles comentou. "Foi a gente que esteve aqui da outra vez". Depois do roubo do cofre, as mulheres foram liberadas e o motorista de táxi, Ricardo Valério de Sena, de 34 anos, obrigado a deixar os assaltantes na Ladeira Saint Roman, em Copacabana, na zona sul. O assalto ocorrido no ano passado não teve reféns. Uma funcionária foi dominada quando abria a loja.No fim da tarde desta quarta-feira, 19, policiais estiveram na Marisa para ouvir funcionários. Eles também visitariam os prédios vizinhos para saber se algum deles tem sistema de câmeras que registrou o assalto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.