Assalto no câmpus da USP

Carta 19.694Fui vítima de assalto a mão armada no dia 3, às 14 hs, dentro do campus da USP. Eu estava andando de bicicleta com meu primo e, ao subir a rua do hospital, dois bandidos, pela aparência menores, me derrubaram da bicicleta e a levaram, me apontando a arma. Um minuto depois dois patrulheiros passaram por lá e disseram que esse tipo de crime é comum, tanto que avisam as pessoas para não andar pelo local. Ao indagar por que o portão daquele lado ainda estava aberto (deve fechar às 14 hs) eles disseram que o portão dá acesso à favela São Remo, que domina a entrada, e que por essa razão não tem porteiro, já que os bandidos usam o local para fazer tiro ao alvo. Eles acrescentaram que nem a polícia entra na favela! PRISCILA MAGGIOLICapitalA PM responde:"O policiamento ostensivo na região do câmpus da USP é feito por PMs da 5.ª Cia. do 16.º Batalhão de PM Metropolitano, por rádiopatrulha, polícia comunitária, ronda escolar, polícia de trânsito e Rocam, com apoio da Força Tática. O controle dos portões é feito pela guarda universitária e o policiamento é dinâmico, baseado em banco de dados criminais e programas inteligentes de policiamento. Entre janeiro e março fizemos 32 prisões em flagrante, apreendemos duas armas de fogos e recuperamos 60 veículos roubados. O policiamento será intensificado. A população pode ajudar registrando qualquer ocorrência, pois os dados são fonte para o planejamento policial, pelo 190, Disque PM (0800) 0555-190, Fale Conosco PM (site www.polmil.sp.gov.br) ou Disque Denúncia 181, para todo o Estado de São Paulo."Carta 19.695?Soluções? da políciaNo entorno do Mercado Municipal e do terminal de ônibus da Penha há corte e roubo de fios telefônicos. Temos de contatar a Telefônica, para substituir a fiação, mas logo depois eles são roubados de novo. A empresa diz nada poder fazer, o caso é com a polícia. No lado oposto da mesma quadra há um posto policial, mas quando avisamos que há pessoas subindo no poste, eles dizem que não têm viatura ou mandam acionar o 190. Para que serve o posto policial, se os policiais não têm autonomia para socorrer os cidadãos nem viatura para percorrer uma quadra? Estamos sem telefone de novo (carta de 8/5).INÊS KISIL MISKALOPenhaA PM responde:"Desenvolvemos operações específicas para a preservação da ordem pública no local por meio da 3.ª Cia. do 8.º Bat. de PM Metropolitano, para prevenir crimes, inibindo a conduta do infrator em potencial, além de possibilitar pronta ação em caso de quebra da ordem pública, reestabelecendo-a de imediato. O policiamento é dinâmico, planejado com base em banco de dados criminais e programas inteligentes de policiamento. Na região, de janeiro a março, fizemos 89 prisões em flagrante, recuperamos 100 veículos roubados e apreendemos sete armas de fogo. O policiamento da área será intensificado. E a população pode contribuir, registrando ocorrências, pois esses dados são fonte para o planejamento policial. Para informações sobre ações delituosas: pelo telefone 190, Disque PM no (0800) 0555-190, no Fale Conosco PM (site www.polmil.sp.gov.br) ou pelo Disque Denúncia, telefone 181, para todo o Estado de São Paulo." No dia 16/5 às 19h35, ao lado do Metrô Ana Rosa, lado direito em direção ao centro, um trombadinha veio me pedir dinheiro, mas o que ele queria era o meu celular. Dei-lhe R$ 2. O semáforo abriu, e eu segui sem lhe entregar mais nada. Creio que ele estava desarmado, mas avistei uma Blazer da PM a uma quadra e parei para avisá-los e pedir que evitassem outro possível assalto. Descrevi o que havia ocorrido e eles disseram que eu devia ter descido do carro e batido no rapaz, mas creio que é a polícia que deve coibir crimes.THIAGO PELLARINCapitalA Polícia Militar responde:"Enfatizamos que a ação descrita não corresponde ao procedimento operacional adotado pela Instituição. Recomendamos o comparecimento do reclamante à Corregedoria da PM ou a outro quartel da PM da região onde ocorreu o fato, para fazer uma denúncia e o reconhecimento dos envolvidos, para que possamos apurar o caso e adotar providências disciplinares se for o caso. O policiamento ostensivo na região é feito por policiais militares da 3.ª Cia. do 12.º Batalhão de PM Metropolitano, por rádiopatrulha, Polícia Comunitária, Ronda Escolar, Policiamento de Trânsito, Policiamento Integrado, Policiamento Ostensivo com apoio de Motocicletas (Rocam) apoiados pela Força Tática. Correspondência para São Paulo Reclama: e-mails para spreclama.estado@grupoestado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.