Assaltos a ingleses e americanos podem ser crimes da mesma quadrilha

A polícia do Rio acredita que os bandidos que assaltaram um grupo de turistas ingleses na quinta-feira passada tenham também roubado visitantes norte-americanos, duas semanas antes. Os dois ataques têm muitas semelhanças, pois, além de sucederem à noite, aconteceram no mesmo local - a saída do elevado da Perimetral, no centro da cidade - e nas mesmas circunstâncias: os estrangeiros seguiam do aeroporto internacional Tom Jobim, onde haviam acabado de desembarcar, para hotéis da praia de Copacabana.Os retratos falados confeccionados nos dois casos são semelhantes, segundo o delegado Ricardo Andreiolo, da Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat). Ele disse que os assaltantes conseguem informações sobre os horários dos vôos no próprio aeroporto. Desse modo, os turistas se tornam presas fáceis. Sabendo a hora em que eles aterrissam e que seguirão para a zona sul, os criminosos interceptam os veículos que os transportam, rendem os ocupantes e retiram tudo o que estiver com eles: dinheiro, cartões de crédito, jóias e aparelhos eletrônicos.Foi assim na quinta-feira. O ônibus que levava os ingleses, que fazem viagens pelo mundo para assistir a corridas de cavalo, passava pela Avenida General Justo, no fim da Perimetral, rumo ao hotel Copacabana Palace, quando o automóvel Golf, de placa LNI 4920, o fechou. Três homens armados de pistola entraram no veículo e obrigaram o motorista a seguir até um ponto deserto do Aterro do Flamengo.Eles levaram laptops, máquinas fotográficas, bagagens e passaportes de 27 pessoas - eram 33 passageiros; seis tiveram sorte e não foram roubados. A partir de dados passados pelas vítimas, foram feitos retratos falados de dois dos ladrões. As descrições coincidem com o relato dos americanos roubados na noite de 5 de janeiro. Os estrangeiros estavam sendo levados para o hotel Le Meridien por um taxista. O carro foi interceptado por outro e os bandidos saltaram, roubaram pertences dos turistas e fugiram em disparada.Os ingleses, que, assustados, decidiram contratar escolta para continuar o passeio no Rio, foram ouvidos na própria quinta-feira e também nesse domingo. Eles não querem dar entrevista e, por isso, ficou acertado que os policiais iriam encontrá-los no Copacabana Palace. O grupo, que esteve na Argentina antes de vir para o Brasil, tinha partida prevista para quarta-feira, mas poderiam antecipar a volta para domingo (22) à noite. O consulado britânico está se empenhando para emitir novos passaportes rapidamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.