Assassinato de caseiro será investigado normalmente, diz Alckmin

O assassinato do caseiro do sítio do presidente Fernando Henrique Cardoso, em Ibiúna (SP), terá uma investigação como a de qualquer outro crime cometido no Estado. "Como todos os casos, esse também vai ser investigado e o criminoso vai ser preso. O DHPP, órgão da Secretaria de Segurança Pública, já foi acionado e nós vamos descobrir quem foi e qual a motivação", disse o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB-SP).O autor do crime, contou Alckmin, não chegou a entrar na casa do sítio nem a roubar nada. "O presidente não fez nenhum tipo de cobrança, no sentido de ter uma apuração rápida ou exemplar, eu é que liguei para ele, que me explicou que o caseiro também trabalhava em outra chácara, e que até onde ele sabia, era uma pessoa que não tinha problemas com ninguém, que o caseiro era uma pessoa tranqüila", disse Alckmin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.