Reprodução
Reprodução

Assassinato de mulher em frente à filha foi ordenado por marido, diz polícia

Corretora foi morta em Canoas (RS) por um homem mascarado quando chegava de carro com a família em casa; investigadores disseram que suspeita era latrocínio para não chamar atenção de acusados

Chico Guevara, Especial para O Estado

20 Setembro 2016 | 11h05

PORTO ALEGRE - Um caso tratado inicialmente como latrocínio, que culminou com a morte de uma mãe de 25 anos em frente à filha de 2, em Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, teve uma reviravolta. A polícia prendeu o marido da corretora Andressa Reinaldo Ellwanger Friedrich, André Friedrich, como suspeito de planejar a morte da mulher, na madrugada de domingo.

O casal e a filha chegavam em casa por volta da 1h30 quando teria sido abordado por um homem mascarado que exigiu o veículo da família. Andressa manobrou o carro seguindo as ordens do criminoso, que disparou um tiro contra a cabeça da mulher antes de fugir.  Friedrich segurava a filha no colo durante o crime.

Andressa chegou a ser socorrida e levada ao  Hospital Nossa Senhora das Graças, mas não resistiu ao ferimento.

A polícia iniciou as investigações e, na manhã desta terça, prendeu André e um amigo da família. Conforme o delegado Cristiano Alvarez, o marido admitiu ter planejado o crime. "Tratávamos o caso como latrocínio para não chamar a atenção dos acusados. O marido confessou diante de todas as provas, dando detalhes. De forma bastante dissimulada, ambos (mandante e assassino) apareceram no velório, de forma bastante comovida com a situação", revela Alvarez.

Segundo o delegado, o matador foi contratado por R$ 10 mil. A motivação do crime seria uma disputa por herança e o seguro de vida de Andressa. "Havia uma disputa intensa patrimonial e em relação à filha. Ele havia recebido uma herança, e ela exigia que ele repassasse a ela. Ela também teria um seguro que ele seria beneficiário."

Os presos foram levados à Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento de Canoas para prestar depoimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.