Assassinato de Toninho do PT pode ser político

O delegado seccional de Campinas, Osmar Porcelli, sugeriu nesta segunda-feira que a morte do prefeito Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, pode ser um crime político.Segundo o delegado, se fosse um caso de roubo ele já estaria solucionado. O delegado disse ainda que continua com todas as linhas de investigação.Segundo Porcelli, uma das pessoas denunciadas em uma carta encontrada pela Guarda Municipal na última sexta-feira já foi localizada. Ele explicou, no entanto, que a pessoa está sendo observada antes de ser chamada para depor.Carta aponta supostos envolvidosA carta apontaria outros supostos envolvidos no crime. Porcelli não identificou quem seriam as pessoas e nem que motivos elas teriam para assassinar o prefeito. O deputado federal Luciano Zica (PT), disse nesta segunda-feira que irá pedir a intervenção da Polícia Federal no caso.Para Porcelli isso não será necessário. Ele comentou que quatro delegados estão atualmente designados para essas investigações. O conteúdo do dossiê que incriminaria uma pessoa que está supostamente desaparecida foi descrito em um relatório entregue a Porcelli.Ele não adiantou nenhuma informação sobre esse documento.Segundo o secretário de Assuntos Jurídicos da Prefeitura, Nilson Lucílio, o documento aponta 11 itens que podem ser investigados pela polícia sobre questões que podem ter alguma relação com o assassinato.O delegado reconheceu que as investigações estão demorando e por isso atribuiu conotação política ao crime. Manifestação e missaCerca de 250 pessoas participaram, nesta segunda-feira, de uma manifestação pela paz, em homenagem ao prefeito morto.Elas percorreram as ruas do centro, fizeram um ato pela paz em frente à Câmara Municipal e se dirigiram à Catedral Metropolitana de Campinas, onde foi rezada a missa de 7º dia pela morte de Toninho, às 19 horas.Em frente à catedral, os manifestantes cantaram o Hino Nacional. O evento contou com a presença da prefeita Izalene Tiene, do deputado Luciano Zica e do deputado estadual, Renato Simões. Esses políticos apoiam a tese de atentado político contra o prefeito.

Agencia Estado,

17 de setembro de 2001 | 20h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.