Assassino de jovem se entrega

Comerciante alega que só deu um tiro para trás

José Dacauaziliquá, O Estadao de S.Paulo

28 de maio de 2008 | 00h00

O comerciante Ismael Vieira da Silva, de 23 anos, que matou com um tiro Alexandre Andrade Reyes, de 18, se entregou ontem à tarde à polícia. A vítima foi assassinada na sexta-feira à noite, depois de uma briga de trânsito, no Jabaquara, zona sul de São Paulo. Silva disse à polícia que atirou porque se sentiu ameaçado pelo grupo que estava com Reyes. Ele estava acompanhado apenas da namorada e temia que ela fosse agredida.Até o fim da noite de ontem, o comerciante permanecia na sede da 2ª Delegacia Seccional, prestando depoimento. Como o tempo para um flagrante já havia se esgotado, ainda não estava certo se ele permaneceria detido. De acordo com o delegado seccional, Silvio Balangio Júnior, um pedido da prisão temporária, de 5 a 30 dias, dependeria do depoimento dele e de outras investigações.Silva afirmou que a confusão começou após o grupo de Reyes bater em sua picape Montana Vermelha. Depois disso, ele desceu do carro e houve um bate-boca com os amigos do estudante. Em seguida, o grupo passou a agredi-lo e bater em seu carro. Foi quando Silva entrou no carro, pegou uma pistola 380 e sentado, sem olhar, disparou um único tiro para trás. Ao perceber que alguém havia caído, acelerou. O comerciante, que não tem porte de arma, afirmou ainda que jogou a arma do crime pela janela, durante a fuga.LEGÍTIMA DEFESAO aposentado Itamar Campos Paiva, de 45 anos, também se entregou ontem pela manhã à polícia e disse ter agredido em legítima defesa, na sexta-feira, o gerente de compras André Luiz Reuter Lima, de 45, com um golpe de barra de ferro na cabeça, após uma discussão de trânsito na Tijuca, zona norte do Rio. A vítima passou ontem por exames, mas permanece internada em coma induzido. "Na versão do acusado, ele avançou o sinal amarelo, foi xingado, perseguido e a vítima deu chutes em seu carro. Ao sair do veículo, levou um soco na boca e se defendeu golpeando a vítima na cabeça", disse o titular da 19ª Delegacia de Polícia, Walter Alves de Oliveira.Paiva, que tem quatro passagens pela polícia por agressão, ficará preso temporariamente. Ele foi indiciado por tentativa de homicídio. A mulher dele reconheceu em depoimento na 19ª que não viu o marido ser agredido pela vítima.COLABOROU PEDRO DANTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.