Assassino denunciado no "Linha Direta" é morto

Ronaldo Josias de Sousa, de 33 anos, foi morto por presos da 126.ª DP (Cabo Frio), horas depois de ter sido detido na cidade vizinha de Arraial do Cabo. Sousa foi denunciado no último programa Linha Direta, da Rede Globo, como o assassino da ex-mulher, a babá Fabiadeliane de Albuquerque Sousa, de 33 anos, em abril do ano passado, em João Pessoa. Ele morreu por traumatismo craniano, depois de ser espancado, afirma o delegado Adalberto Chagas.Sousa foi preso poucas horas depois de o programa ter sido exibido, denunciado por uma ligação anônima à Polícia Militar. Ele trabalhava havia quatro meses como pedreiro numa salina. Na delegacia, Sousa confessou o crime e ficou isolado num xadrez. Na nesta manhã, no entanto, ele se misturou aos outros 100 presos para o banho de sol.Sousa foi cercado pelos detentos, que assistiram ao programa Linha Direta, e espancado. "Quando os policiais perceberam o que estava acontecendo, ele foi retirado de lá, mas já era tarde", afirmou o delegado Chagas. O detento chegou a ser socorrido no Hospital São José Operário, mas não resistiu. Chagas abriu inquérito para apurar quem comandou o linchamento ao preso. Ele disse que não houve participação de policiais no caso.De acordo com o programa Linha Direta, Sousa se prostituía. Ele mentiu para o pai de Fábia, como a babá era conhecida, dizendo que tinha mantido relações sexuais com a moça. Fábia foi então obrigada a se casar com Sousa. O casamento durou um ano. Depois da separação, ele tentou queimar a ex-mulher enquanto ela dormia. Mas a babá acordou e conseguiu escapar. Sousa chegou a ligar para a ex-sogra, uma semana antes do assassinato, avisando que uma "mulher misteriosa" mataria Fábia. No dia do crime, 26 de abril de 2001, Sousa vestiu-se de mulher, perseguiu a babá e a matou com quatro tiros pelas costas. Deixou no local do crime o revólver com as impressões digitais, a peruca e a carteira de identidade. Antes de ser preso, Sousa ligou para a família de Fábia e fez ameaças, por ter sido denunciado ao Linha Direta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.