Assassino pode virar testemunha de crime que negou

Adriano da Silva, de 25 anos, réu confesso da morte de oito crianças, poderá se tornar testemunha-chave da morte de pelo menos um de outros quatro garotos assassinados no ano passado no norte do Rio Grande do Sul.Em um dos depoimentos que deu na semana passada à polícia, tornado público nesta segunda-feira pelo deputado estadual Fabiano Pereira (PT), ele contou como manteve relações sexuais com Volnei dos Santos, de 12 anos, e disse que, depois de se afastar, avistou um grupo de adolescentes caminhando em direção ao local onde estava o menino.Segundo o relato, Adriano ficou desconfiado e, mais tarde, naquele mesmo dia, resolveu procurar o garoto, encontrando-o morto. Na descrição, o maníaco disse não reconhecer os sete adolescentes que chegaram a ficar presos durante 62 dias do ano passado, acusados da morte de Volnei. Agora é provável que ele tenha de apontar o grupo que disse ter visto ou passar por uma acareação com os jovens indiciados pela polícia.Adriano está preso numa cela da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas. Nesta segunda-feira ele prestou mais um depoimento aos policiais. A investigação trabalha agora na confrontação das informações que ele prestou com laudos periciais e levantamentos fotográficos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.