Assassinos de Daniella Perez são condenados a pagar indenização

Os assassinos da atriz Daniella Perez, Guilherme de Pádua e Paula Thomaz, terão de pagar R$ 100 mil de indenização à mãe da atriz, a novelista Glória Perez, e a mesma quantia ao viúvo, o ator Raul Gazolla. O valor, fixado hoje pelos desembargadores da 7.ª Câmara Cível, é a metade do que havia sido decidido pela 3.ª Vara Cível, em abril do ano passado. Os assassinos terão de arcar ainda com as despesas do funeral da atriz, orçado em cinco salários mínimos pelos desembargadores.O advogado de Paula Nogueira, André Martins, disse que vai pedir a insolvência civil de sua cliente. "É a falência da pessoa. Ela não pode comprar, vender durante cinco anos. Mas depois volta a viver uma vida possível", afirmou. O advogado de Glória e Gazolla, Paulo César Cunha Carneiro, não quis comentar a decisão judicial e disse que vai estudar o processo para decidir se recorre. Segundo ele, Glória manifestou a intenção de doar a indenização à Casa dos Artistas, caso ela seja paga. A defensora pública que atende Guilherme de Pádua, Graziela Saidler, também não decidiu se entra com recurso contra a decisão. Glória e Gazolla haviam pedido indenização por danos morais e por danos materiais - a mãe queria ressarcimento pelas despesas com funeral, e o viúvo, uma pensão vitalícia. A 3.ª Vara Cível concedeu mil salários mínimos para cada um pelos danos morais, e negou os danos materiais. Tanto a família de Daniella quanto os assassinos da atriz recorreram. O relator do processo, o desembargador Paulo Gustavo Horta, inicialmente, reduziu os danos morais para 300 salários mínimos, e voltou a negar os danos materiais. "Evidentemente que não há dinheiro que repare a dor da perda de um filho, mas essa câmara não costuma conceder valores tão altos por dano moral", afirmou. O revisor, o desembargador Carlos Lavigne, votou por manter os mil salários mínimos, por conta da "barbárie do crime". A desembargadora Marli Macedônio França, terceiro e último voto, defendeu o pagamento de cinco salários mínimos pelos gastos com funeral e a indenização de 500 salários mínimos. "Nem tanto ao mar, nem tanto à terra", disse. Ela foi acompanhada pelos colegas. Nenhum dos envolvidos na ação compareceu ao Fórum para acompanhar a decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.