Assembléia acaba, mas greve da estiva não

Foi uma assembléia tensa,marcada por discursos inflamados e por palavras de ordem, que a todo instante pediam por uma paralisação geral detrabalhadores na cidade.O confronto registrado entre a polícia e os estivadores do Porto de Santos, no final da tarde desta segunda-feira, era a todo instantelembrado.O prefeito Beto Mansur (PPB) foi incitado pelos trabalhadores a aparecer na escadaria da Prefeitura, a fim de sepronunciar sobre os incidentes da tarde.Mansur pediu calma aos estivadores e acabou concordando com a proposta dopresidente do sindicato da categoria, Vanderlei José da Silva, de tentar uma solução negociada com os dirigentes do Terminalda Libra, que insistiam em manter as operações nos navios, à revelia do movimento.A deputada federal Telma de Souza (PT), as lideranças sindicais da estiva, o prefeito e políticos da região, seguiram para oarmazém 37 (Libra), objetivando iniciar uma negociação, enquanto mais de mil trabalhadores aguardavam na Praça Mauá.Oencontro com os empresários foi realizado a portas fechadas e até as 21h45 não havia uma definição da conversa, indicativo deque o protesto dos trabalhadores deveria entrar no oitavo dia consecutivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.