Assembléia convoca responsáveis pelas obras do Metrô

A Assembléia Legislativa aprovou no final da tarde desta terça-feira, 6, a convocação de três integrantes da equipe responsável pelas obras da Linha 4-Amarela do Metrô, onde um desmoronamento na futura Estação Pinheiros causou a morte de sete pessoas. Os convocados a deporem nesta quarta, 7, a partir das 14h30, foram: Ciro Mourão, coordenador de fiscalização de obras do metrô, José Roberto Leite Ribeiro, chefe do canteiro de obras, e Marco Antônio Buoncompagno, gerente de obras da linha 4-amarela, que pediu afastamento do cargo no último dia 30. A aprovação das convocações foi feita pela comissão de representação constituída pela Assembléia Legislativa de São Paulo para apurar o acidente do Metrô. Os três serão os primeiros a serem ouvidos sobre a tragédia, que ocorreu no último dia 12. Ainda nesta terça, também foi aprovada a regulamentação e o roteiro a ser seguido pela comissão de representação. O presidente do Metrô, Luiz Carlos Frayse David, não atendeu na terça-feira passada, 30, o convite dos deputados estaduais paulistas para dar explicações sobre o acidente ocorrido com a obra. David encaminhou apenas um ofício aos membros da comissão da Casa informando que não iria comparecer à audiência pública. A decisão do presidente provocou reação imediata na oposição. "É lamentável o posicionamento da direção do Metrô, pois uma empresa pública deve prestar contas. Houve o descumprimento da palavra (de Luiz David) e, no meu entender, passa a ser inevitável a abertura de uma CPI", disse, na ocasião, o deputado Sebastião Arcanjo (PT), conhecido como Tiãozinho. O petista é coordenador da Comissão de Serviços e Obras Públicas que, juntamente com a Comissão de Transportes e Comunicações, integra a comissão de representação constituída pela Assembléia para apurar o acidente do Metrô.

Agencia Estado,

06 Fevereiro 2007 | 19h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.