Assembleia gastará mais R$ 21,2 milhões em nova reforma

Em 2009, Casa concluiu construção de anexo para deputados ao custo de R$ 29,2 milhões, obra sob[br]suspeita de irregularidades

Fabio Leite e Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2011 | 00h00

Após a polêmica construção de um anexo para acomodar parte dos parlamentares, concluída em 2009 ao custo de R$ 29,2 milhões, sob suspeita de irregularidades, a Assembleia Legislativa de São Paulo passará por mais uma ampla reforma. A Casa assinou nove contratos para obras e inspeções do Palácio 9 de Julho no valor de R$ 21,2 milhões.

A principal e mais vultosa obra é a de "modernização" do Hall Monumental e dos acessos do edifício, que custará R$ 6,4 milhões. A Assembleia também pretende implantar um novo projeto de sinalização das áreas externas e internas do edifício "à luz das normas da ABNT" ao custo de R$ 4,62 milhões.

Entre os demais contratos, estão programadas "modificações, readequações e outras intervenções" no sistema de iluminação da fachada do palácio, ao custo de R$ 2,828 milhões, a instalação de um sistema de som por R$ 1,92 milhão e a implantação de cancelas por R$ 470 mil.

Há, ainda, um contrato para "serviços de inspeção e pronto restabelecimento das condições de uso do Palácio 9 de Julho", no valor de R$ 2,9 milhões. E outro para instalações elétricas ao custo de R$ 1,875 milhão.

Uma das obras com valor abaixo da casa dos milhões é a reforma do parlatório, onde o governador Geraldo Alckmin (PSDB) discursou ao tomar posse, no dia 1.º de janeiro. O contrato é de R$ 119 mil.

A Casa contratou ainda a Companhia Paulista de Obras e Serviços (CPOS), por R$ 72 mil, para que a estatal prepare licitação para obra de "adaptação e modernização da ala parlamentar" do prédio antigo. Trata-se da reforma que vai integrar os gabinetes ociosos após a saída de metade dos deputados para o prédio anexo.

"Modernizar". A "modernização" do Hall Monumental será tocada pela Construtora Progredior Ltda. O contrato foi assinado no dia 23 de dezembro do ano passado. O hall é a área de entrada de parlamentares e autoridades no edifício. Alckmin passou por ali, em tapete vermelho, quando foi diplomado e tomou posse no início do ano. O salão também é reservado para eventos e cerimônias.

As obras no sistema de iluminação do palácio, com contrato assinado também no dia 23 de dezembro, já estão em andamento. A contratada é a JRA Empreendimentos e Engenharia.

Os serviços de instalações elétricas serão tocados pela Empreitec Construções Elétricas e os de montagem de som pela Construtora Cronacon - a mesma que reforma por R$ 18,9 milhões o prédio da Secretaria Estadual de Planejamento, no Itaim.

Procurada desde terça-feira para explicar os investimentos, a assessoria da Assembleia não se pronunciou até o fechamento desta edição. A construção do anexo continua sob investigação sigilosa do Ministério Público. / FABIO LEITE, DO JT, e ROBERTO ALMEIDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.