Assessor de Chiquinho da Mangueira é morto com 5 tiros

O major PM Edimilson Silva Santos, de 33 anos, coordenador de segurança da Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro (Suderj), foi assassinado com pelo menos cinco tiros. O corpo foi encontrado nesta quinta-feira, no banco traseiro do carro importado que pertencia ao policial. O major era responsável pela segurança interna do Maracanã e estava no cargo desde janeiro, a convite do secretário estadual de Esportes, Francisco de Carvalho, o Chiquinho da Mangueira. Há meses, o secretário vem sendo investigado por denúncias de envolvimento com traficantes de drogas. Chiquinho disse que último contato do policial com a família ocorreu na noite de quarta, quando ele telefonou para avisar que estava indo para casa. O secretário disse que o major nunca mencionou ter recebido ameaças. Ele afirmou ter convidado Santos para ser o coordenador de segurança da Suderj porque o oficial demonstrara bom desempenho como encarregado do policiamento externo do Maracanã em dias de jogo.O procurador-chefe da assessoria de investigações penais do Ministério Público Estadual, Alexandre Araripe Marinho, disse hoje que o caso de Chiquinho será ?apurado até as últimas conseqüências?. Ele aguarda uma decisão do Tribunal de Justiça sobre o pedido de quebra do sigilo telefônico de Chiquinho entre 1997 e 1999, quando o secretário teria visitado traficantes no presídio de Bangu 3.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.