Constança Rezende/Estadão
Constança Rezende/Estadão

Assessora conta que tiros que atingiram Marielle duraram 'um segundo'

Sobrevivente disse que, quando ouviu os disparos, achou que carro estivesse passando por área de fogo cruzado

O Estado de S. Paulo

18 Março 2018 | 22h01

RIO - A assessora de imprensa da vereadora Marielle Franco, assassinada na semana passada, no Rio, contou que o som dos tiros que atingiram o carro onde estavam na noite da última quarta-feira, 14, e que mataram Marielle e o motorista Anderson Pedro Gomes durou “um segundo". Ela concedeu entrevista ao programa Fantástico, da Rede Globo, e contou como foi o momento do homicídio.

"Estávamos olhando o celular. Um minuto antes, mais ou menos, eu vi a Marielle comentar alguma coisa do tipo: eita. Mas um comentário muito tranquilo. Não era um susto. No momento dessa interjeição dela, ouvi uma rajada. Na mesma hora me abaixei. Eu estava achando que ela estava se abaixando junto comigo. Foi um barulho forte, mas rápido", disse a assessora, que, por segurança, não divulgou sua imagem e nome. 

+ Carro suspeito de ter sido usado em morte de Marielle é apreendido em Minas

Ela disse que, quando ouviu os tiros, achou que estivessem passando por uma área de fogo cruzado. "Nesse momento, o Anderson fez assim: “ai”. E eu estava ali abaixando. Não vi se veio de um carro, de uma moto, de nada. Não sei de onde veio isso. E logo depois do "ai", vi que os braços dele que seguravam o volante caíram", afirmou. O carro foi parado por ela, que dominou o volante e puxou o freio de mão. 

Ao deixar o carro, a assessora sinalizou para os carros e gritou pedindo socorro. Ela contou ainda que foi acalmada por uma mulher que chamou polícia e ambulância. Até então, achava que Marielle e Anderson estivessem desmaiados. Apenas com a chegada da polícia, ouviu o comentário de que apenas uma pessoa havia sobrevivido aos tiros. " A coisa da sobrevivente me marcou muito. Eu queria a Marielle viva. Eu queria o Anderson vivo. Sobreviver é muito cruel. Por que eu preciso sobreviver? Que coisa horrenda. Que violência é essa?", disse. 

+ PSOL entra com ação contra desembargadora que acusou Marielle de ligação com bandidos

"As autoridades têm de me dizer logo quem foi que fez isso e por que fez isso. É isso que eu espero", afirmou a assessora de Marielle. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.