Assessores não têm atividade eleitoral, afirma Mercadante

O candidato petista ao governo de São Paulo, senador Aloizio Mercadante (SP), enviou uma carta ao Estado na qual afirma que não usa funcionários do Senado em sua campanha. Segundo ele, o motorista Alexandre Ramos Fonseca, só o leva, exclusivamente, para atividades relacionadas com o exercício de seu mandato parlamentar.

, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

"Ele não me acompanha nas atividades de caráter eleitoral (carreatas, comícios e eventos), mas continua me atendendo na capital paulista para a realização de todos os serviços referentes ao meu mandato como senador. Alexandre é meu motorista há quase 20 anos e tem minha total confiança. Para as atividades de campanha, são contratados outros motoristas", afirma Mercadante.

O senador comentou a atuação de sua assessora de imprensa, Silene dos Santos. "Quanto a Silene dos Santos, ela exerce exclusivamente atividades relacionadas ao meu mandato de senador, não atuando em nenhuma tarefa da campanha eleitoral. Ao enviar e-mails com minha agenda, ela apenas atendeu a pedidos da imprensa", ressaltou.

"A matéria desconsidera ainda que todo e qualquer parlamentar tem um escritório político em seu Estado. Tenho um escritório na capital paulista desde o primeiro dia de meu mandato. É no Estado que recebemos lideranças políticas e onde estão os 10,5 milhões de eleitores a quem tenho de prestar contas. Recebo diariamente centenas de e-mails, cartas e telefonemas com demandas, propostas e reivindicações. E procuro responder e encaminhar aquilo que é de minha responsabilidade", afirmou Mercadante. "As minhas responsabilidades como senador continuam durante e depois da campanha."

Sabatina. Apesar das explicações, o senador usou o motorista do Senado na quarta-feira, no deslocamento entre o Shopping Higienópolis e o local em que pegou um helicóptero para a Baixada Santista. No shopping, Mercadante participou como candidato de sabatina promovida pelo site UOL e pelo jornal Folha de S. Paulo. Na Baixada, seguiu para compromissos de campanha.

O Estado também não solicitou a agenda de Mercadante, que foi mandada por iniciativa de sua assessoria. A reportagem tem guardados 11 e-mails de Silene dos Santos, enviados entre o dia 6 de julho, início oficial da campanha, e o dia 20. Todos são referentes à agenda como candidato.

O Estado procurou a assessoria do senador Romeu Tuma (PTB), mas até o fechamento desta edição não obteve resposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.