Associação avalia com otimismo queda de 15% na ocupação de hotéis no Rio

Presidente da ABIH parabenizou o governador do Estado, Sérgio Cabral (PMDB), e o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, a quem chamou de 'herói'

Bruno Lousada, O Estado de S. Paulo

29 Novembro 2010 | 17h23

RIO - O presidente da Associação Brasileira de Indústria de Hotéis (ABIH), Álvaro Brito Bezerra de Mello, disse nesta segunda-feira, 29, que a ocupação na rede hoteleira do Rio de Janeiro no último fim de semana "caiu apenas 15%" por causa dos episódios de violência na cidade, ocorridos desde a semana passada. Para ele, essa "pequena queda" é um sinal claro de que "as pessoas passaram a ver que as coisas estão entrando no eixo no Rio de Janeiro".

Veja também:

linkBandidos fugiram pelo esgoto e com uniformes do PAC

linkUPP no Alemão deve ser instalada em seis meses, diz Cabral

linkDilma deve encontrar Cabral na terça-feira

linkSP, MG e ES reforçam policiamento em rodovias na divisa com Rio

linkPerda de espaço motiva ataques do tráfico, dizem analistas

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

video Vídeo - Bope troca tiros no Complexo da Penha

forum Presenciou algum ataque? Conte-nos como foi

"O maior problema do Rio é a segurança. Todo o turismo ficou assustado com o noticiário da cidade, mas a ocupação (nos hotéis) caiu pouco. O governo do Estado deu uma resposta bonita", disse, referindo-se à megaoperação das forças policiais e militares no Complexo do Alemão e na Favela Vila Cruzeiro, na zona norte, que prendeu traficantes e apreendeu armas, munição e drogas.

O presidente da ABIH parabenizou o governador do Estado, Sérgio Cabral (PMDB), e o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, a quem chamou de "herói", pelo "ótimo trabalho". "A megaoperação transcorreu sem derramamento de sangue. Foi lindo. Como carioca, fiquei orgulhoso", afirmou, durante o seminário Rio Cidade Sede - Infraestrutura, desafios e oportunidades, realizado num hotel de luxo da zona sul.

Mello disse que o Rio vai atingir a meta de 40 mil leitos na rede hotelaria para a Copa do Mundo de 2014 e de 50 mil para os Jogos Olímpicos de 2016. A cidade tem hoje 25 mil quartos. "Já existem mais 9 mil quartos em planejamento ou construção. Para chegar aos 40 mil e 50 mil não haverá problemas."

Bezerra de Mello afirmou que seu "maior medo são os aeroportos". "É preciso colocar muito dinheiro para fazer aeroportos dignos de primeiro mundo. Nós deveríamos ter metrô nos aeroportos até a rede hoteleira", disse.

Mais conteúdo sobre:
violência ataques turismo hotéis Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.