Associação de PMs oferece recompensa por assassino

A Associação de Ativos e Inativos e Pensionistas da PM e do Corpo de Bombeiros está oferecendo R$ 10 mil por informações que levem aos responsáveis pela morte do sargento da PM Júlio Cesar Fialho, atingido num tiroteio quando patrulhava uma via na zona norte, ontem à noite. Ele e dois soldados do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais da Polícia Militar (BPVE) foram surpreendidos por criminosos armados.O presidente da associação, Miguel Cordeiro, acusou o governo do Estado de colocar em risco a vidas dos policiais. "O governo não pode colocar no máximo três policiais à noite, em áreas de risco. O ideal seriam pelo menos 10 PMs trabalhando juntos. Quem não tem segurança para trabalhar, não pode dar segurança à sociedade." A associação também oferece R$ 10 mil a quem ajudar a polícia a encontrar os assassinos do soldado da PM Luís Flávio Lopes da Silva, morto por ocupantes de uma Kombi, quando fazia uma blitz, em Campo Grande, zona oeste, no sábado. Cordeiro disse que já recebeu "várias denúncias", mas até agora ninguém foi preso. "Mesmo os policiais militares que se sentirem ameaçados devem denunciar." O sargento Fialho foi atingido na cabeça e morreu no Hospital Geral de Bonsucesso, na zona norte. Já os soldados Leandro da Silva Haidar e Strauss Lorenceine da Silva, feridos de raspão na cabeça e na panturrilha, respectivamente, continuam internados no Hospital Central da PM, no centro, mas estão fora de perigo.

Agencia Estado,

05 de agosto de 2003 | 18h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.