Ataque a Bangu 3 tentava libertar líderes do Comando Vermelho

Os traficantes Isaías da Costa Rodrigues, o Isaías do Borel; Alexandre Mendes da Silva, o Polegar; Aldair Marlon Duarte, o Aldair da Mangueira; Magno Fernando Soeiro, o Magno da Mangueira; Rodrigo Marinho, o Rolinha; e William da Silva Lima, o Professor, líderes do Comando Vermelho (CV), deveriam ter sido os resgatados no ataque ocorrido na noite de terça-feira contra o presídio Bangu 3, no complexo de penitenciárias da zona oeste.A ação foi planejada em reunião na Favela da Rocinha, da qual participaram os traficantes Luciano Barbosa da Silva, o Lulu da Rocinha; Evanildo Marcos da Silva, o Dão, do Morro da Providência; André Anchieta, o Maninho, da Favela do Jacarezinho; Marcio Batista da Silva, o Dinho Porquinho, de Manguinhos; e Jorge Alexandre Cândido Maria, o Sombra, de Vila Kennedy.Um dos principais líderes do CV, Isaías do Borel, de 39 anos, foi preso em janeiro de 1990, na Tijuca, zona norte, e condenado a 30 anos. Até hoje, continua no controle do tráfico do Morro do Borel. Isaías teria determinado a execução do traficante Celso Luiz Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém, durante a rebelião do dia 11 de setembro em Bangu 1, ordem que não foi cumprida.Preso em janeiro de 2002, numa mansão à beira-mar no Ceará, Polegar comanda o tráfico no Morro da Mangueira, na zona norte, e também é importante na hierarquia do CV. Com ele, policiais da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) apreenderam ouro, pedras preciosas e carros de luxo. Polegar havia adquirido imóveis avaliados em R$ 2 milhões.Aldair da Mangueira chefia o tráfico de drogas na zona oeste do Rio. Capturado em outubro de 2001, o traficante, de 25 anos, já foi resgatado da carceragem da Polinter, na zona portuária, quando criminosos derrubaram uma parede da cadeia com um caminhão. Em março passado, ele foi preso novamente. É acusado também de participar do seqüestro e assassinato do empresário Robert Ávila de Souza, em 1999.Magno da Mangueira foi afastado do controle do morro da zona norte do Rio em setembro de 1996 e preso em novembro do ano seguinte por policiais do 9.º Batalhão (Rocha Miranda). Era famoso por distribuir drogas dentro de bonecos de Papai Noel, durante o Natal, e em bombons e ovos de Páscoa. Rolinha seria o chefe do tráfico no Morro da Fazendinha, no Complexo do Alemão, zona norte. Preso em junho de 2001, ele tem, segundo a Polícia Federal, contatos em cinco Estados do País e é responsável por três grandes rotas de abastecimento de drogas, armas e munição para favelas do Rio. Já Professor, um dos mais antigos presos em Bangu, participou da fundação da Falange Vermelha, no fim dos anos 70, no presídio da Ilha Grande. O CV surgiu como uma dissidência da Falange.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.