Ataques continuam. SP fica sem ônibus e rodízio é suspenso

A onda de ataques contra ônibus, agências bancárias e prédios públicos continuou na noite de ontem e madrugada de hoje na capital paulista, Grande São Paulo, litoral e interior do Estado. Foram pelo menos 36 ataques na madrugada, deixando três pessoas feridas e um bandido morto. Quatro pessoas foram detidas. Com temor de novos ataques, muitas companhias de ônibus deixaram de pôr seus coletivos nas ruas. Na capital, 14 viações não puseram os coletivos nas ruas, provocando transtornos para mais de 3 milhões de usuários. A cidade de São Paulo tem 16 companhias, para o atendimento somente da capital, sem contar as companhias que vêm de outros municípios vizinhos. O rodízio de veículos foi suspenso em São Paulo. A CET adverte, no entanto, que a cobrança de estacionamento na zona azul está mantida. O tráfego pelos corredores exclusivos de ônibus não está autorizado.Os usuários do transporte coletivo municipal enfrentam dificuldades e muitas filas para se locomover na manhã desta quinta-feira, 13.Duas empresas que cobrem a zona oeste, a Oaktree e Gato Preto, e apenas uma na zona leste, a Viação Himalaia, estão atendendo precariamente à população. Segundo o SPTrans, nas outras regiões as lotações e microônibus estão cobrindo o sistema de transportes na capital.O SPTrans ainda não tem um balanço de quantos ônibus estão circulando em São Paulo. Os terminais de ônibus estão superlotados. No Largo Treze, região de Santo Amaro, os usuários promoveram um tumulto. O terminal Santo Amaro continua fechado. As vans, alternativas para a população, circulam lotadas. A Avenida Adolfo Pinheiro está parcialmente ocupada pelos pedestres devido ao baixo fluxo de veículos na região. O comércio está parcialmente fechado, os comerciantes estão apreensivos, com medo de ataques. No Posto Polícia Militar, cerca de nove viaturas estão de prontidão.O Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) estão operando normalmente. Devido ao rodízio municipal estar suspenso nesta quinta-feira, há excesso de veículos nas ruas, aumentando o congestionamento na cidade. Às 8 horas foram registrados 28 quilômetros de lentidão nas principais ruas e avenidas monitoradas pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o dobro da média para o período.Bandido morto pela políciaNa capital, por volta da 1h15, criminosos jogaram uma granada contra uma viatura da PM. Houve confronto entre PMs e bandidos na região do Pirajuçara, zona oeste da capital. Um bandido teria sido morto pelos policiais. Não foi informado se o artefato explodiu ou não. Em Vila Formosa, na zona leste da cidade, 4 homens foram detidos pela PM portando armas e coletes à prova de balas. Segundo a polícia, o grupo preparava-se para mais um ataque. Na região de São Mateus, também na zona leste, uma agência do Bradesco teve o vidro estilhaçado por um coquetel molotov. O corpo de bombeiros não precisou intervir. Outras três agências bancárias foram alvos de incendiários. Uma delas, do Bradesco, às 2h, no Carrão, zona leste; outra, também do Bradesco, no Itaim Paulista, também na zona leste; e a terceira na região dos Jardins.Uma base da Guarda Municipal, localizada na Rua José Taciano Flores, na região do Jardim Ângela, foi atacada a tiros. Nenhum guarda ficou ferido e ninguém foi preso. Um coletivo foi atacado por volta da 0h30 no Grajaú, zona sul da cidade. Outro ônibus foi incendiado na Vila Madalena, zona oeste, levando pânico a clientes e proprietários de bares do bairro.Um microônibus da Viação Transcooper foi incendiado, por volta das 4h15 desta madrugada, após sair de sua garagem, localizada na Rua Andreza, no Jaraguá, região noroeste da capital. O ataque ocorreu na Rua Fernando Mendes de Almeida, no final da Avenida Deputado Cantídio Sampaio, região de Pirituba. Segundo as primeiras informações, ninguém foi preso ou ficou ferido. Em protesto, os funcionários da empresa se recusaram a soltar os demais carros nesta manhã.Vários bandidos, todos armados, atiraram, por volta das 4h desta madrugada, contra os muros da unidade Encosta Norte da Fundação Estadual para o Bem-Estar do Menor (Febem), localizada no final da Rua Ari Cordovil, próximo à esquina com a Rua Virgilio Campelo, na região do Itaim Paulista, zona leste da cidade. GranadaNinguém foi preso ou ficou ferido. Uma granada foi jogada por desconhecidos contra um posto de combustíveis em São Mateus, na zona leste. O artefato não explodiu. Na zona sul, bandidos passaram ao lado da estação Capão Redondo do Metrô e efetuaram vários disparos.Na Grande São Paulo, três homens incendiaram uma ambulância após uma chamada falsa, por volta da 0h de hoje, em Santana do Parnaíba. Na região de Mogi das Cruzes, trecho leste da Grande São Paulo, foram registrados, entre o final da noite de ontem e esta madrugada, dez ataques a coletivos, sendo que três em Mogi, quatro em Suzano, dois em Ferraz de Vasconcelos e um em Poá. Em Itaquaquecetuba uma agência de veículos foi atacada e dois veículos foram danificadosCriança ferida no litoralNo litoral, uma criança de 2 anos foi atingida por uma bomba atirada no interior de um ônibus, na noite de quarta-feira, em São Vicente, onde mais de dez coletivos foram destruídos desde a madrugada de quarta. O garoto, que ainda não foi identificado, encontra-se internado na Santa Casa de Misericórdia de Santos, mas não corre risco. A Câmara do município também foi atingida por tiros. Ninguém ficou ferido. Os disparos destruíram parte dos vidros do estabelecimentos. Outras ações também foram desencadeadas na região. A polícia está fazendo um balanço das ocorrências e deve se pronunciar no decorrer do dia. Em São Sebastião (litoral norte), uma agência bancária do Bradesco foi alvo de coquetel molotov.InteriorNo Interior, foram registrados dois ataques a ônibus na cidade de Jundiaí, a 50 quilômetros da capital. Nessa mesma cidade, criminosos atiraram contra a sede do 3º Distrito Policial. Em Sumaré, bandidos jogaram uma bomba caseira na garagem de ônibus da Viação Ouro Verde, danificando alguns veículos. Não há informações de feridos. Também foram registrados quatro ataques entre as 22h e 23h de ontem na cidade de Piracicaba. Os alvos foram o prédio do 5º Distrito Policial, uma agência bancária do Bradesco e dois ônibus circulares da Viação Paulicéia. Policiais militares da cidade de Sorocaba, interior do Estado, detiveram, no início da madrugada desta quinta-feira, três homens que pertencem a uma quadrilha que promoveu vários ataques na cidade, que fica a 100 quilômetros da capital Com eles, foram apreendidos 10 coquetéis molotov, uma espingarda calibre 12, dois revólveres, dois carros e uma moto.Segundo a polícia, os homens presos participaram de ataques a quatro ônibus no Jardim Maria Eugênia, Parque Vitória Régia, Jardim Santo André II e Jardim Rodrigo, entre as 19h e as 23h20 desta quarta-feira. Eles também tentaram incendiar com coquetéis molotov uma agência bancária da Nossa Caixa na avenida Ipanema e um caixa eletrônico do Bradesco na avenida Santos Dumont, ambas na Vila Angélica.ÔnibusA paralisação das linhas de ônibus começou na noite de quarta-feira. Às 22h00, a maior parte dos coletivos já tinha sido recolhida ás garagens, por ordem, das empresas que queriam evitar mais depredações.Por questões de segurança, a maioria dos ônibus só sairia da garagem às 5h30, atendendo os passageiros a partir das 6h. Um total de pelo menos 43 coletivos haviam sido queimados até a meia-noite de ontem durante a onda de ataques.No começo da madrugada, muitos pontos de ônibus estavam repletos de pessoas que ainda tentavam voltar para casa. Várias delas se utilizaram de táxis e algumas chegaram a procurar hotéis. Os terminais de ônibus ficam cheios de pessoas que procuravam abrigo na madrugada."É uma vergonha o governo deixar a cidade na mão do PCC", disse Márcia Maria da Silva, de 32 anos, operadora de caixa, que esperou por duas horas no terminal de ônibus da Lapa, zona oeste da cidade. Ela pediu que alguém da família fosse buscá-la de carro.Com o passar das horas, por volta das 5h00, o problema mudou, com os pontos recebendo pessoas que precisavam ir para o trabalho.O sistema de transporte por ônibus na cidade possui uma frota de 8 mil carros, pertencentes a dezenas de viações que se conglomeram em 8 consórcios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.