Ataques e mortes - crime organizado espalha o terror no Rio

Pela quarta vez neste ano, o crime organizado espalhou o terror em vários pontos do Rio, entre a noite desta terça-feira e a tarde desta quarta. Traficantes queimaram nove ônibus, um carro e uma Kombi, lançaram granadas contra dois shoppings, metralharam uma universidade, uma lanchonete e uma igreja. Dois policiais militares foram mortos, e dois, feridos.A governadora Rosinha Matheus disse que, às 21 horas desta terça, o serviço de inteligência da polícia soube que os atos ocorreriam e reforçou a vigilância. Segundo o superintendente da Polícia Federal no Rio, Marcelo Itagiba, os primeiros dados chegaram no início desta semana, ainda sem detalhes, que depois foram descobertos pelo setor de inteligência.Pelas informações recebidas, os bandidos tinham a intenção de parar o Rio, impedindo que os ônibus deixassem as garagens pela manhã. Pretendiam ainda promover um motim em presídios de Bangu. O secretário da Segurança Pública, coronel Josias Quintal, acredita que os criminosos agiram em represália ao regime rigoroso adotado no complexo.Os ataques levaram a cúpula da segurança a se reunir bem cedo. Após o encontro, Quintal prometeu mais repressão. "Alguém terá de dobrar os joelhos e não vai ser o governo." Veja o especial:

Agencia Estado,

09 de abril de 2003 | 21h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.