Até agora, incentivo fiscal não atraiu empresas

Apesar do otimismo do subprefeito da Sé, Andrea Matarazzo, na concretização do projeto da Nova Luz, nenhuma empresa tinha apresentado projeto para ser beneficiada pelos incentivos fiscais até o fim do mês passado. "Tivemos várias consultas. Acredito que até o final do prazo teremos os projetos", diz o secretário. Na primeira consulta informal feita pela Prefeitura, no início do ano, 62 empresas dos ramos de tecnologia, telemarketing e construção civil manifestaram interesse pela área. Em 14 de julho, a Prefeitura publicou edital para abertura do processo de seleção de projetos para a área, com prazo de 60 dias. Mas tudo indica que será prorrogado por mais 30 dias. "Para montarmos uma central de atendimento, fazemos um planejamento com dois anos de antecedência. Como não tínhamos ainda a notícia dessas desapropriações, nossa empresa não incluiu investimento na região da Nova Luz", conta Luiz Alcubierre, diretor de relações internacionais da Atento, uma das maiores no setor de call center no País. "Pode ser que algumas empresas ainda consigam colocar no orçamento do ano que vem, porque o que nós mais reivindicávamos era que as desapropriações ocorressem logo." Alcubierre aponta várias vantagens na Nova Luz, entre elas a grande oferta de transporte público. "Temos a facilidade de sempre estar perto de estações de metrô para facilitar o acesso dos funcionários e clientes." O superintendente de Negócios da TMS Call Center, José Vasconcelos, acredita que, com o início das demolições, a iniciativa privada vai ficar mais confiante. "Nós fomos uma das primeiras empresas a se interessar pelo projeto. Às vezes não dá para aguardar, mas continuamos muito interessados", afirma. Segundo Vasconcelos, hoje é muito difícil encontrar espaços grandes na região central, por isso a Nova Luz é tão importante. BENEFÍCIOS O projeto que deve ser apresentado à Prefeitura para receber incentivos fiscais tem de possuir os seguintes dados: detalhamento do empreendimento, com possível endereço, descrição das atividades e perspectiva de geração de empregos. Quem tiver o projeto aprovado terá direito, por cinco anos, a redução de 50% no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e no Imposto de Transferência de Bens Intervivos (ITBI), além de abatimento de até 60% no Imposto Sobre Serviços (ISS).

O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2003 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.