Atendimento em hospital de campanha fica abaixo do esperado

Local montado às margens da BR-101 tem capacidade para atender 400 pessoas/dia, mas atendeu 85 nesta 2ª

Eduardo Nunomura, enviado especial de O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2008 | 17h59

Começou a funcionar nesta segunda-feira, 1º, um Hospital de Campanha (HCamp) da Força Aérea Brasileira (FAB), com um total de 85 atendimentos, sendo um caso suspeito de leptospirose. O número é abaixo da capacidade máxima, que é atender até 400 pessoas num dia. Porém, para os militares, é normal que isso ocorra no primeiro dia de operações.   Veja também: Lula pede estudo para elevar saque do FGTS Saiba como ajudar as vítimas da chuva IML divulga lista de vítimas identificadas Repórteres relatam deslizamento em Ilhota  Mulher fala da perda de parentes em SC Tragédia em Santa Catarina  Blog: envie seu relato sobre as chuvas  Veja galeria de fotos dos estragos em SC   Tudo sobre as vítimas das chuvas     A unidade recebeu pacientes que vieram por conta própria e encaminhados por Postos de Saúde de cidades do Vale do Itajaí, castigado pelas enchentes da semana passada. A idéia do Hospital de Campanha é auxiliar as prefeituras no atendimento básico e emergencial.   A estimativa da secretária de saúde estadual, Carmen Zanotto, é de que o HCamp possa reduzir em até 60% os casos clínicos que acabam sobrecarregando as unidades de saúde municipais. São pacientes sentindo dores no corpo, febre, diarréia. Logo após uma calamidade, a procura pelos serviços públicos explode. E a preocupação médica é evitar que epidemias, como as da leptospirose, toxoplasmose e hepatatite, se espalhem rapidamente pela população. Milhares estão nos abrigos, dormindo muito perto uns dos outros.   Nesta segunda, 10 casos suspeitos de leptospirose foram notificados junto à Vigilância Epidemiológica do Estado. Esse número é desatualizado, porque as prefeituras levam um tempo para comunicar os dados à Secretaria de Saúde. Mas os pacientes com suspeitas de estarem com a doença, transmitida pelo contato com água contaminada por urina de ratos, devem procurar ajuda médica imediatamente.   Militares montam tendas de atendimento em espaço às margens da BR-101 Foto: Clayton de Souza/AE   Na estrutura montada a beira da BR-101 no trevo de Itajai-Ilhota, há 40 tendas onde atendem 37 profissionais da saúde, sendo 16 médicos. O ex-tenista Gustavo Kuerten, catarinense, visitou ontem o HCamp para prestar solidariedade e elogiar o trabalho dos militares. O governador Luiz Henrique (PMDB) também esteve presente. O hospital militar atua em situações de emergência, como a da dengue no Rio, em 2005, o acidente do avião da Gol, em 2006, e a greve dos médicos no Recife, neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.