Estadão
Estadão

Atirador de GO que matou 2 e feriu 4 deve ser solto em 2020

Adolescente de 14 anos cumpre medida socioeducativa; assim como no caso do Paraná, bullying motivou ataque

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2018 | 03h00

SOROCABA - Quase um ano depois de episódio semelhante ocorrido em Goiânia (GO), o jovem de 14 anos que matou a tiros dois colegas e feriu outros quatro dentro da sala de aula do Colégio Goyases cumpre medida socioeducativa no Centro de Internação de Adolescentes, em Anápolis, e pode ser libertado em setembro de 2020. A família de João Pedro Calembo, de 13 anos, tenta superar a perda e a de Isadora de Morais, de 14 anos, que permaneceu 54 dias internada e ficou paraplégica, a auxilia na terapia. A escola adotou medidas de proteção.

Assim como no Paraná, o atirador de Goiás alegou, como motivo para os disparos, que sofria bullying. O adolescente, que cursava o 8.º ano, foi condenado à sanção máxima prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): três anos de internação. Segundo a advogada Rosângela Magalhães, que o defende, os pais do adolescente, que são PMs, o visitam uma vez por semana. Ele continua os estudos.

A família de João Pedro Calembo, de 13 anos, tenta superar a perda. Em 13 de julho, quando o adolescente faria 14 anos, a mãe, Bárbara Calembo, manifestou em rede social a “eterna saudade” do filho. “A situação em que fomos colocados vai além da nossa compreensão humana, mas o amor que temos pelo nosso filho vai além da vida”, escreveu.

 

Já a família de Isadora de Morais, que ficou paraplégica após os tiros, criou a página Todos pela Isadora no Facebook e conseguiu a doação de uma cadeira de rodas elétrica. Ela também obteve tratamentos para reabilitação e vem tendo progressos, segundo a publicação.

O diretor do Colégio Goyases, Luciano Rizzo, disse que foram tomadas medidas de prevenção. “Foi um acontecimento terrível que a escola nunca vai esquecer, mas passamos a dar muito mais atenção a tudo o que acontece com os alunos.” A Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás informou que o inquérito foi concluído em 2017 e enviado para o Juizado da Vara da Infância e da Juventude. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.