Divulgação
Divulgação

Atirador do Rio afirma em vídeo que bullying foi principal motivação

Secretaria de Segurança Pública divulgou hoje novo material, que inclui vídeos, fotos e textos que foram encontrados no computador do assassino

Tiago Rogero, Estadão.com.br

15 Abril 2011 | 14h30

RIO - O assassino Wellington Menezes de Oliveira diz em vídeo que o bullying sofrido por ele foi a principal motivação para o massacre em Realengo. A Secretaria de Segurança Pública do Rio divulgou nesta sexta-feira, 15, novo material, que inclui vídeos, fotos e textos, encontrados no computador do assassino.

 

Veja também:

video Assista a todos os vídeos deixados pelo atirador

mais imagens Mais fotos do atirador antes do massacre

linkPaes diz que indenizará famílias de vítimas

linkPara vencer trauma, até mãe volta às aulas

linkPreso suspeito de vender arma para Wellington

especialPasso a passo do atirador dentro da escola

 

O acervo mostra a preparação de Wellington, não só para as mortes, mas para a repercussão que o caso teria. Lendo textos ou falando diretamente para a câmera, Wellington contraditoriamente justifica o assassinato das 12 crianças como uma resposta aos "covardes".

 

"Eu era agredido, humilhado, ridicularizado (...), mas o que mais me irrita hoje é saber que esse cenário vem se repetindo sem que nada seja feito contra essas pessoas covardes e cruéis", diz. Referindo-se às vítimas de bullying como "irmãos", o assassino culpa as "autoridades escolares" por cruzarem os braços diante do problema, e diz que, não fosse por isso, estaria vivo, assim como todos que matou.

 

 

Em um dos vídeos, o assassino "parabeniza" o garoto australiano Casey Heynes, famoso depois da divulgação na internet de um vídeo em que se defende de bullying. Wellington cita também o sul-coreano Cho Seung-Hui, que invadiu o Instituto Politécnico e Universidade Estadual da Virgínia (EUA), em 2007, matando 32 pessoas; e Edmar Aparecido Freitas, que entrou atirando, em 2003, no colégio onde estudou em Taiúva (SP), ferindo 8 pessoas, e depois se matou.

 

Em outra gravação, já sem barba, Wellington se despede. "Hoje é quarta-feira, dia 06 de outubro de 2011 (sic), já são quase 7 horas da noite, daqui a pouco estou saindo de Sepetiba e me dirigindo para Realengo onde ficarei hospedado no hotel Shelton pra me preparar (..) Este é meu último discurso", diz. Há também 7 fotos do assassino. Nelas, Wellington aparece segurando duas armas, apontando uma delas para a câmera e, em outra foto, para a própria cabeça.

 

Mais conteúdo sobre:
bullying Realengo massacre Rio video inquérito

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.