Atirador que matou estudantes no Rio pode ser um PM

A polícia mantém em sigilo o nome do policial militar que está sendo investigado pela morte de três estudantes na noite de sábado durante uma festa em um clube do Méier, no subúrbio do Rio. Depois de uma discussão, já na madrugada, o suposto PM teria descarregado uma pistola na direção das 300 pessoas que estavam nolocal. Dois rapazes e uma moça morreram baleados e um quarto ficou ferido. O suspeito está foragido.Priscila Nunes Barbosa Petrone, de 16 anos, foi atingida com um tiro nas costas e morreu logo após chegar no hospital Salgado Filho, noMéier. Rogério Ferreira Aguiar, de 20 anos, foi baleado na testa e faleceu ao ser internado. Levado ao hospital Marcílio Dias, no Lins,Diego Pão Alvo Cardoso, 20 anos, resistiu por poucas horas ao ferimento na cabeça e morreu na manhã de hoje. Os crimes ocorreram durante afesta batizada pelos jovens de Chopada dos Índios, que tinha sido organizada por estudantes da UniverCidade, uma rede com 17 unidades,entre colégios e universidades, em vários bairros do Rio. O local escolhido pelos alunos foi o clube Só na Bola, no Méier. Após ouvir o depoimento de 10 pessoas, a titular da 24ª DP, delegada Danielle Bessa, contou que a confusão começou por volta de 1 hora da madrugada, quando duas garotas começaram a discutir. Elas foram retiradas pelos seguranças do clube. Um homem interveio para defenderuma delas e também foi expulso. Ele deixou o local fazendo ameaças aos seguranças, pegou uma pistola dentro do carro, estacionado a poucosmetros, e fez os disparos na porta do clube, em direção ao interior do estabelecimento. ?Foram, pelo menos, 11 tiros. E os depoimentos já colhidos apontam que seria um policial militar?, afirmou a delegada. O único estudante que sobreviveu, Rafael Spena Braga, 19 anos, levou dois tiros no peito. Ele está internado no Salgado Filho. Segundo informações de médicos do hospital, o quadro dele é estável. Os projéteis que atingiram Rogério e Priscila foram retirados dos corpos no IML e serão encaminhados para o exame de balística. Segundo a delegada, o autor dos disparos vai responder por triplo homicídio doloso qualificado e uma tentativa de homicídio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.